Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Falta mandioca e indústrias de amido falam em importar

22 FEV 10 - 03h:33
O excesso de chuvas, assim como ocorre no noroeste do Paraná, está afetando a colheita da mandioca e a produção de fécula nos municípios do cone sul do Estado, onde se concentram as maiores indústrias desse setor. E a queda na produção fez os preços subirem nas principais praças do País, chegando perto dos R$ 200 a tonelada em Mato Grosso do Sul. Algumas fecularias estão ociosas, praticamente paradas nos últimos dias por falta de fornecimento da matéria-prima porque os caminhões não conseguem sair das propriedades rurais transportando a mandioca. Os atoleiros nas estradas estão prejudicando a saída do produto. O forte da colheita ocorre de março a outubro, mas muitos produtores mantêm parte da mandioca no solo para vender neste período de passagem de uma safra para outra. Mas, com a chuvarada, o arranquio está prejudicado em Ivinhema, Mundo Novo, Glória de Dourados, Naviraí, Itaquiraí e outros municípios onde a cultura tem peso econômico e abastece as indústrias de amido. A empresa NKR, de Itaquiraí, filiada à Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca – Abam, por exemplo, recebe em períodos normais, de 90 a 110 toneladas por dia. Porém, com o período chuvoso está com seu esmagamento parado por falta do produto. A tonelada de mandioca na NKR estava cotada a R$ 190 (renda 20) na quarta- feira passada, quase o dobro do preço de um ano atrás. Já o Cepea/Esalq cotou o produto a R$ 188/t posto fábrica para o pagamento entre 15 e 23 dias. Os preços da mandioca estão em elevação desde julho de 2009 e, desde aquele período, a alta já atinge 77,2%, em termos reais, segundo o Cepea, com pico de R$ 219,21 a tonelada, em algumas praças. Em 2008, Mato Grosso do Sul manteve a posição de segundo maior produtor de fécula de mandioca do País, atrás do Paraná e na frente do Estado de São Paulo. Segundo a Abam, das indústrias do Estado saíram 107.182 toneladas, equivalente a 19% da produção brasileira. O Paraná respondeu por 62% do amido nacional, ou 353.944 toneladas.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Grupo tailandês quer <br> investir no turismo de MS
HOTELARIA

Grupo tailandês quer
investir no turismo de MS

Mente serena
CINCO PERGUNTAS

Mente serena

ECONOMIA

Decreto cria comitê técnico para desenvolvimento do mercado de combustíveis

BRASIL

'Falta apenas ouvir o Queiroz', diz Bolsonaro

Mais Lidas