Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Falha na distribuição e preço afetaram vendas

29 MAR 10 - 10h:34
Em Mato Grosso do Sul, o desinteresse do consumidor pelo gás veicular − combustível muito usado em outros estados brasileiros − está, entre outros fatores, ligado ao preço e à distribuição no Estado. Desde que o combustível foi inserido em MS, por volta de 2004, apenas duas cidades (Campo Grande e Três Lagoas) tinham postos de abastecimento. Cerca de cinco anos se passaram e a situação continua a mesma: somente os dois municípios contam com revendedoras de gás veicular. Muitos − querendo aproveitar a economia do combustível que chega a 20% em relação a outros, como gasolina e álcool − encontraram dificuldades em viajar, percorrer longas distâncias dentro do Estado, porque não havia como abastecer o veículo e, quem tentou teve que usar outro combustível no meio do percurso, quando o gás se esgotou. Ou seja, não compensava. O resultado foi a diminuição dos adeptos do combustível, e com menos demanda a oferta cresceu e os valores subiram. Nos últimos dois anos, o preço do gás veicular ficou 10% mais alto, passando de R$ 1,59 o metro cúbico (março 2008) para R$ 1,75 (março 2010). Se comparado com a época em que o consumo era grande (março 2005), o acréscimo chega a 51%, já que no período o custo médio do metro cúbico no Estado era de R$ 1,16, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Mudanças A situação do GNV ficou ainda mais complicada em Mato Grosso do Sul quando as montadoras de veículos mudaram suas linhas de produção e começaram a fabricar modelos “flex”, que poderiam rodar tanto com álcool como com gasolina. Isso porque, segundo Paulo César de Oliveira, coordenador do LabSenai Gás e Energia, a relação custo-benefício da conversão para a compra de um bicombustível não pendeu para o lado do gás. “Pelo contrário, enquanto uma conversão custa entre R$ 2 mil e R$ 3,5 mil, as montadoras já fabricam flex com mesmo preço de um que usa apenas gasolina, por exemplo”, compara. O cenário, associado aos preços praticamente equiparados do gás e álcool, e ao peso do cilindro de gás (cerca de 100 quilos) que aumenta o consumo, deu a entender que a economia na queima de até 20% do GNV frente a seu concorrente não compensava o custo da conversão. Resultado: o consumidor abandonou o gás veicular. Além disso, de acordo com Oliveira, o governo não incentivou o GNV, desmotivando o setor comercial. “Há alguns anos a própria ministra Dilma afirmou que o objetivo do gás no Brasil seria basicamente para geração de energia”, conta. O governo estadual também não teria colaborado, oferecendo incentivos fiscais com a redução da carga tributária em todo o setor. (AM)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ministro diz que campanha pela Amazônia é "ataque internacional"
EM CAMPO GRANDE

Ministro diz que campanha pela Amazônia é "ataque internacional"

Após cassação, Miranda terá nova eleição para prefeito em outubro
ELEIÇÃO SUPLEMENTAR

Miranda terá nova eleição para prefeito em outubro

Ministro da Saúde anuncia multivacinação para outubro
CAMPANHA

Ministro da Saúde anuncia multivacinação para outubro

Processo seletivo do Senar tem 10 vagas e salário de R$ 6,5 mil
OPORTUNIDADE

Senar abre seleção com 10 vagas e salário de R$ 6,5 mil

Mais Lidas