Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Fábrica da Petrobras terá início em 2011

Fábrica da Petrobras terá início em 2011
30/03/2010 23:09 - Rosana Siqueira


A fábrica de fertilizantes da Petrobras começa a ser construída no primeiro trimestre do próximo ano, em Três Lagoas. A afirmação foi feita ontem pelo governador André Puccinelli, durante evento na Capital. “Depois da elaboração dos projetos executivos, prospecções e licenciamentos, a fábrica deve começar a ser construída no primeiro trimestre de 2011”, destacou o governador, lembrando que o governo federal anunciou oficialmente segunda-feira a implantação da fábrica em Três Lagoas, no lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Na semana passada, foi aprovada pela Câmara Municipal de Três Lagoas a Lei número 2435, que doa com encargos uma área de 532 hectares para a construção da fábrica de fertilizantes da Petrobras. “Adquirimos a área, escrituramos a área em nome da prefeitura, a lei foi aprovada autorizando a doar para a Petrobras para que a empresa comece a fazer os estudos, as prospecções e depois, o início da construção que deve começar no final deste ano, início do ano que vem. A previsão é de que no final de 2012 esteja concluída a obra e a fábrica, produzindo”, explicou Puccinelli.

Em fevereiro, o Estado e a Prefeitura de Três Lagoas assinaram um convênio para a destinação de recursos no valor de R$ 5,980 milhões, sendo R$ 5 milhões do Estado e R$ 980 mil do município, para a aquisição de área para construção da fábrica de fertilizantes da Petrobras.
Com o montante de recursos, foi adquirida área de 556 hectares na MS-395, saída para Brasilândia, entre os córregos Moeda e Rio Verde. O local será denominado Distrito Industrial Córrego Moeda. A área fica ao lado do complexo industrial Fibria/International Paper. Dos 556 hectares, 532 serão destinados à fábrica de fertilizantes e o restante será usado para a instalação de outras indústrias.

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...