'PARA TODOS'

Exposição retrata luta de deficientes por igualdade

Exposição retrata luta de deficientes por igualdade
05/09/2012 00:00 - DA REDAÇÃO


O Shopping Norte Sul Plaza recebe, até o dia 22, a exposição - "Para Todos" -  O Movimento das Pessoas com Deficiência no Brasil. A exposição, inédita em Campo Grande, já passou por quatro capitais brasileiras e é uma realização do Governo Federal.

A exposição “Para Todos” funciona como uma linha do tempo, onde os visitantes fazem um passeio pela história da discriminação e conquistas dos direitos das pessoas com deficiência. Conta com recursos de acessibilidade que permitem a todas as pessoas o acesso à informação. O espaço relata como as pessoas com deficiência se organizaram e reivindicaram espaço na luta pelos seus direitos, do campo da assistência social para o campo dos Direitos Humanos.

Todos os painéis estão adaptados em Braile, dispõem de áudio-guia e têm piso tátil planejado para indicar a mudança de assunto e direcionar os visitantes.

À medida que o visitante avança na linha do tempo, o aparelho muda automaticamente de assunto e pode aprofundar o tema, se for acionada a opção. Dessa forma, todo o conteúdo da exposição “Para Todos” pode ser usufruída independente da condição física, sensorial, intelectual ou capacidade de comunicação dos visitantes.

Serviço

A Mostra “Para Todos”- O Movimento das Pessoas com Deficiência no Brasil” que é parte do movimento nacional de inclusão, vai até o dia 22 de setembro, das 10h às 22h, no Norte Sul Plaza. O shopping fica na Avenida Ernesto Geisel, 2.300 – V. Jockey Clube.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".