Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AGRONEGÓCIO

Exportações encarecem a carne suína

Exportações encarecem a carne suína
17/09/2010 08:01 -


ADRIANA MOLINA

A carne suína ficou cerca de 11% mais cara ao consumidor campo-grandense nos últimos dois meses, com base no levantamento do Índice de Preços ao Consumidor (IPC-CG). A alta, segundo especialistas, é reflexo do aumento nas exportações do produto, de 188,8% nos primeiros oito meses do ano, e que não foi acompanhado pelo crescimento do volume de abates no Brasil.
O valor da costela subiu 11,4%, e é encontrada por até R$ 12,20 nos supermercados e açougues pesquisados pelo Correio do Estado na Capital. O pernil, 10,4% mais caro, varia entre R$ 6,99 e R$ 8,99; e a bisteca, com 10,7% de aumento, entre R$ 7,19 e R$ 8,99.
De acordo com a assessora econômica da Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Adriana Mascarenhas, a demanda internacional pela carne suína tem sido acelerada, em função do maior consumo mundial. No entanto, a produção brasileira não está seguindo no mesmo ritmo de crescimento.
“Entre janeiro e agosto do ano passado, as vendas externas de suínos estavam em torno de 9 milhões de toneladas. Neste ano, no mesmo período, elas já saltaram para 26 milhões de toneladas. Porém, os abates não ficaram muito maiores, não tiveram alta expressiva que pudesse suprir essa demanda”, explica. O produto é adquirido principalmente pela Rússia, que hoje é o maior importador de carne suína do nosso país.
Consumidor
A situação pode ainda ser acentuada pela entressafra bovina brasileira, que já provocou aumento de 20% nos cortes em açougues e supermercados. “Percebemos que pelo fato de a carne de boi estar mais cara, muitos consumidores têm optado por levar outro tipo de carne, principalmente a suína, que nos últimos dias está cerca de 10% mais procurada”, conta o supervisor de açougue, Kenny Douglas.
A cabeleireira Luciana dos Passos é uma das que estão adaptando o perfil de consumo ao mercado. Depois de perceber que o quilo de contrafilé subiu de R$ 13 para R$ 15, decidiu levar menos carne bovina e acrescentar a suína no cardápio de casa. “Comecei a fazer isso para não aumentar os gastos.”, diz.
O comerciante Alberto Torres percebeu que a costela suína está mais cara, porém acredita que ainda seja vantajosa em relação aos cortes bovinos. “Subiu, mas os preços ainda são bem inferiores que os da de boi”, calcula.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!