Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

DOURADOS

Executiva do PPS pede cassação de vereadores suspeitos

24 NOV 2010Por Fábio Dorta, Dourados 02h:55

O Diretório Municipal do PPS de Dourados vai protocolar na secretaria da Câmara Municipal nos próximos dias pedido para aberturas de comissões processantes com o objetivo de cassar os mandatos dos nove vereadores que foram presos na Operação Uragano da Polícia Federal e estão afastados dos cargos pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS).

A decisão foi tomada na tarde de ontem durante reunião da executiva do partido. Dos 12 vereadores que compunham o Legislativo douradense no último dia 1º de setembro, quando ocorreram as prisões, 11 foram indiciados pela Polícia Federal, denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) e estão respondendo a processos.

Apenas a vereadora Délia Razuk (PMDB), que atualmente é prefeita interina, não foi denunciada. O atual presidente da Câmara Dirceu Longhi (PT) e o primeiro-secretário da Mesa Diretora Gino Ferreira (DEM) não foram presos, nem afastados dos cargos, mas ambos estão na lista dos indiciados pela Polícia Federal.

Dos nove vereadores presos em setembro, apenas Sidlei Alves (DEM), Humberto Teixeira Júnior (PPS) e Edivaldo Moreira (PDT) ainda permanecem presos. "O pedido de cassação dos mandatos é uma resposta ao que a sociedade douradense tem clamado por intermédio dos movimentos sociais", afirmou o presidente do partido Anivaldo Santana.

De acordo com o regimento interno da Câmara Municipal apenas a própria Mesa Diretora ou partidos políticos, que tenham representatividade no Legislativo, podem pedir a abertura de processos de cassação dos mandatos de vereadores. Até ontem, apenas o PPS havia se manifestado.

Leia Também