Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INTERNACIONAL

Ex-presidente Aristide volta ao Haiti

Ex-presidente Aristide volta ao Haiti
18/03/2011 14:23 - ESTADÃO


O ex-presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide, retornou à sua terra natal nesta sexta-feira, 17, dois dias antes do segundo turno das eleições presidenciais no Haiti. O avião fretado que transportava Aristide e sua família pousou no aeroporto de Porto Príncipe às 9h10min (11h10min, horário de Brasília).

Aristide, de 57 anos, foi expulso do Haiti em 2004 por uma revolta armada, e ignorou o pedido direto dos Estados Unidos pelo adiamento de sua chegada para depois das eleições presidenciais.

O antigo chefe de Estado foi recebido na porta da aeronave por uma comitiva formada por seu porta-voz no país, o coordenador da comissão de mobilização permanente de seu partido, Félix Ansyto, assim como diplomatas e outras personalidades. Ao chegar, o ex-presidente pediu o "fim do exílio e dos golpes de Estado" no Haiti.

A chegada de Aristide contou com um amplo dispositivo de segurança da Polícia haitiana e da Missão da ONU para a Estabilização do Haiti (Minustah), embora os agentes não tenham conseguido conter a avalanche de jornalistas que ultrapassaram a barreira feita para proteger o ex-presidente na saída do avião.

Na quinta, ainda na África do Sul, o ex-presidente se disse "muito feliz" por poder retornar ao país de origem. "O grande dia chegou. O dia de dizer adeus antes de voltar para casa" disse o ex-presidente em no aeroporto de Lanseria, perto de Johannesburgo antes de embarcar. Aristide, que vivia no exílio na África do Sul há sete anos, embarcou com sua família

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.