Segunda, 11 de Dezembro de 2017

MUNDO

Ex-premiê israelense Ariel Sharon morre aos 85 anos em Tel Aviv

11 JAN 2014Por TERRA09h:59

O ex-primeiro-ministro israelense Ariel Sharon morreu neste sábado, aos 85 anos, em Tel Aviv, segundo o "canal 1" da televisão israelense e a rádio do exército de Israel. Um dos políticos mais prestigiados e ao mesmo tempo controvertidos da história do país, Sharon morreu no hospital onde estava internado há oito anos em coma. Até o momento, não há uma confirmação do hospital Sheba, onde Sharon era tratado, mas um porta-voz da instituição anunciou um pronunciamento para as 15h (11h de Brasília).

Ariel Sharon: relembre a trajetória do ex-primeiro-ministro de Israel

A saúde de Sharon, que estava em coma desde que há oito anos sofreu um derrame cerebral, começou a se deteriorar há dois meses e meio, e nos últimos dias ele sofreu uma insuficiência renal que afetou vários de seus órgãos vitais.

Sharon foi o idealizador de um grande projeto, o de fixar as fronteiras de Israel, algo que poderia ter modificado o rumo do conflito israelense-palestino. Em estado vegetativo após um derrame cerebral em 4 de janeiro de 2006, Sharon nasceu em 27 de fevereiro de 1928 na Palestina sob mandato britânico e foi o braço direito do fundador histórico da direita nacionalista, Menahem Begin, que chegou ao poder em 1977, antes de revolucionar o panorama político israelense.

Como nenhum outro dirigente, este homem com fama de "falcão" colocou sob suspeita o sonho do "Grande Israel" ao ordenar a retirada da Faixa de Gaza, em 2005, após 38 anos de ocupação. Até então ninguém havia se atrevido a tocar na política de colonização para desmantelar assentamentos. Sharon concluiu que Israel tinha que renunciar a manter todos os territórios conquistados na guerra de 1967 se desejava continuar sendo um "Estado judeu e democrático".

Ele queria a separação dos palestinos, mas segundo as condições de Israel. Esta era a missão histórica que pretendia realizar. Pouco depois de seu derrame, o homem forte de Israel passou a cair no esquecimento, preso a uma cama de hospital e velado pela família. O nome era citado de maneira esporádica pela imprensa

Com informações de agências internacionais

Leia Também