Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Ex-modelo brasileira é assassinada na Itália

Ex-modelo brasileira é assassinada na Itália
28/04/2011 06:02 - r7


A ex-modelo amazonense Maria de Assis Cybele Johnson, de 50 anos, foi assassinada nesta quarta-feira (27) em Módena, na Itália, supostamente por seu ex-namorado, o contador aposentado Stefano Tassoni, de 61 anos, que teria se suicidado em seguida.

Segundo um familiar de Maria de Assis, o corpo dela deve chegar a Manaus até esta sexta-feira (29) para ser velado e enterrado.

De acordo com o parente, que não quis se identificar, Tassoni teria ligado para a mãe de Maria, Cibele, para avisar que tinha assassinado sua filha na manhã de hoje.

Tassoni ainda teria enviado mensagens pelo celular avisando que teria matado Cybele para amigos. Um deles avisou a polícia, mas a ex-modelo foi encontrada morta em casa. Tassoni supostamente se suicidou em sua casa, em Bolonha, a cerca de duas horas de Módena.

Segundo o site do jornal Corriere di Bologna, Tassoni se matou, assim que policiais chegaram a sua casa, com a mesma arma com que teria supostamente matado a ex-modelo.

Amigo próximo da ex-modelo, o colunista social de Manaus Pedrinho Aguiar cobriu há um mês a festa dos 50 anos de Maria de Assis, que era conhecida como Cybele Johnson, em Manaus.

- Ela estava radiante como sempre. Mas estava magoada com a história do ex-namorado, que era casado. Ela tinha terminado o namoro e queria seguir sua vida, só que ele não aceitava o fim do relacionamento.

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.