Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Ex-governador é ouvido pelo MPE sobre atuação de promotores

29 JAN 10 - 07h:45
O ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos foi ouvido, ontem pela manhã, pelo corregedor do Ministério Público Estadual (MPE), A n ísio Bispo dos Santos, no processo administrativo que apura a atuação do procurador de Justiça Marcos Antônio Martins Sottoriva e cinco promotores (Clóvis Amauri Smaniotto, Gilberto Robalinho da Silva, Jiskia Sandri Trentin, Marcos Fernandes Sisti e Silvio Amaral Nogueira de Lima) durante as investigações do caso que ficou conhecido como “farra da publicidade”. A acusação feita pela Promotoria de Justiça é de que, durante o segundo mandato do ex-governador José Orcírio, tenha sido desviado cerca de R$ 30 milhões por meio de contratos com agências de publicidade. José Orcírio foi o primeiro ouvido desde que o Conselho Nacional do Ministério Público determinou, em dezembro do ano passado, que o processo fosse instaurado. Recurso Na primeira tentativa de questionar o trabalho da promotoria, a Corregedoria do MPE considerou o pedido improcedente e arquivou-o. Os advogados do ex-governador recorreram ao conselho e obtiveram vitória. Participaram da audiência os procuradores de Justiça Silvio Cezar Maluf e Wilson Fortes, que fazem parte da comissão constituída para conduzir o processo administrativo, e o promotor de Justiça e ouvidor do Ministério Público, Celso Botelho. Irresponsabilidade Após a audiência, José Orcírio voltou a afirmar que se sentiu “agredido” pelas acusações de peculato e falsificação de documentos, e foi “condenado sumariamente”, sem ter sido ouvido. Ele pede indenização ao Estado no valor de R$ 500 mil pelas ofensas que considera ter recebido. “Foi bom para esclarecer sobre a acusação feita pelos promotores. Me senti agredido e fui condenado pela imprensa nacional sem ter sido ouvido. Vim tranquilo, sem a proteção de um mandato. Quero que o pessoal (promotores) seja punido pela irresponsabilidade das acusações e por me condenar sumariamente”, declarou o ex-governador ao deixar a sede do MPE. Na Justiça estadual, são nove ações criminais e doze cíveis envolvendo a suposta participação do ex-governador. Todas elas estão trancadas graças a habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça. Os promotores ingressaram com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que ainda não foi julgado. Porto Murtinho Após deixar a sede do Ministério Público Estadual, o ex-governador foi para o município de Porto Murtinho, visitar a mãe, dona Assunção, de 97 anos que, segundo ele, está com dengue. “Ela pediu para chamar todos os filhos”, comunicou a assessoria de José Orcírio ao justificar a sua viagem.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PF investiga 221 'laranjas' e casos de desvio na eleição de 2018; um deles em MS
IRREGULARIDADE

PF investiga 221 'laranjas' e casos de desvio na eleição de 2018; um deles em MS

Irmãos paraguaios são mortos a tiros na fronteira
DUPLO HOMICÍDIO

Irmãos paraguaios são mortos a tiros na fronteira

Prefeitos de municípios de MS que podem ser extintos pedem fim de PEC
BAIXA RECEITA

Prefeitos de municípios de MS que podem ser extintos pedem fim de PEC

Começo das aulas na rede estadual de ensino é antecipado
ESCOLAS

Começo das aulas na rede estadual de ensino é antecipado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião