Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

CBF

Ex-dirigente acusa Ricardo Teixeira de pedir propina

10 MAI 2011Por Gazeta Esportiva13h:24

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e outros três dirigentes foram acusados por David Triesman, ex-presidente da Associação Inglesa de Futebol, de pedirem propina em troca de apoio à candidatura da Inglaterra para ser sede da Copa de 2018. Além de Teixeira, Jack Warner, da Concacaf, Nicolas Leoz, da Conmebol e Worawi Makudi, da Federação Tailandesa de Futebol, também foram denunciados por Triesman.

A Inglaterra recebeu apenas dois dos 22 votos no processo eleitoral ocorrido no comitê executivo da Fifa que culminou com a escolha da Rússia para sediar o Mundial de 2018. Segundo Triesman, que presidiu o comitê da candidatura inglesa no ano passado, Teixeira teria lhe dito: "Venha e me diga o que você tem para mim", em um suposto pedido de retorno pelo voto favorável.

Os pedidos dos outros dirigentes teriam sido diversificados e peculiares: Jack Warner foi acusado de pedir mais de US$ 4 milhões para construir um centro educativo em Trinidad e Tobago; Nicolas Leoz teria pedido para ser condecorado como cavaleiro da coroa britânica; e Worawi Makudi teria desejado receber os direitos de transmissão de um futuro amistoso entre as seleções da Inglaterra e da Tailândia.

As declarações do ex-dirigente foram feitas nesta terça-feira, na Casa dos Comuns do parlamento britânico, que abriu um inquérito no comitê do departamento de Cultura, Mídia e Esporte para investigar a derrota inglesa na disputa pela Copa do Mundo de 2018. Segundo Triesman, as denúncias não foram feitas anteriormente porque ele tinha medo de prejudicar a candidatura da Inglaterra.

Ao saber das denúncias, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que irá realizar uma investigação para saber se os quatro dirigentes são mesmo culpados.

"Eu fiquei chocado, mas é preciso que se veja as provas. Eles estão vindo de outras confederações, então não posso dizer se são todos anjos ou diabos. Há uma nova série de informações, nos deem tempo para digerir isso e começar uma investigação pedindo provas sobre o que foi dito. Nós vamos reagir imediatamente contra todos que violarem os códigos de conduta ética", prometeu Blatter.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também