Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

WIKILEAKS

EUA veem região da Espanha como maior centro mediterrânico de terrorismo

11 DEZ 2010Por FOLHA ONLINE15h:43

Os Estados Unidos consideram a Catalunha, região no nordeste da Espanha, como o "maior centro mediterrânico de atividade de radicais islâmicos", o que levou o país a manter uma célula de inteligência na capital da região, Barcelona, segundo documentos divulgados pelo site WikiLeaks.

"Autoridades espanholas e americanas identificaram a Catalunha como o maior centro mediterrânico de atividade de radicais islâmicos", afirma um documento enviado em outubro de 2007 pela Embaixada americana em Madri para Washington, divulgado neste sábado pelo jornal espanhol "El Pais" --uma das cinco publicações que obtiveram acesso integral aos mais de 250 mil documentos diplomáticos americanos.

O risco levou Washington a abrir "uma multiagência de inteligência na capital catalã para combater o terrorismo islâmico e o crime organizado". O centro secreto está em funcionamento há dois anos no Consulado de Barcelona.

De acordo com os documentos da embaixada, "a alta imigração, legal e ilegal, do norte da África (Marrocos, Tunísia e Argélia), assim como do Paquistão e Bangladesh, faz desta região um ímã para o recrutamento de terroristas".

"A Polícia Nacional estima que há cerca de 60 mil paquistaneses vivendo em Barcelona e seus arredores, a maioria homens, solteiros, sem documentação. Também há muitos imigrantes do norte da África", continua o telegrama.

Os documentos também indicam que, segundo os EUA, "a Espanha é o alvo preferencial e obsessivo da jihad [guerra santa]".

"Os americanos elogiam as muitas detenções realizadas desde 11-M [os atentados de 11 de março de 2004 em Madri, que mataram 191 pessoas], mas criticam abertamente a falta de coordenação dos serviços secretos espanhóis" e "tentam influenciar nas decisões do governo sobre o futuro de alguns detidos", disse o jornal.

Além disso, não há uma lista consolidada de terroristas compartilhada pelos serviços, o que dificulta a identificação ou busca de pessoas de interesse para os americanos, afirma um outro documento diplomático, datado de 2005.

Nos últimos anos, ocorreram diversas operações na Espanha contra grupos relacionados ao movimento islâmico, especialmente na região da Catalunha.

TRÁFICO

O documento americano também cita o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro como motivo para criar a agência em Barcelona, cidade descrita como autêntico foco do crime organizado.

Segundo os americanos, grandes quantidades de cocaína provenientes da América do Sul, maconha vinda do Marrocos e heroína afegã passam por Barcelona com destino aos mercados consumidores europeus.

O documento cita um relatório do Departamento do Tesouro americano que cita a Espanha como base europeia para a lavagem dos lucros dos traficantes. Barcelona seria a base operacional de distribuição e financiamento de cartéis colombianos da cocaína.

O telegrama cita ainda casos de tráfico de seres humanos e cita o aeroporto de Barcelona como um dos mais utilizados pela máfia. "As autoridades espanholas dizem que as quadrilhas chinesas, romenas e albanesas se instalaram na Catalunha, se estendem ao longo da costa do Mediterrâneo e ganham terreno. Estes grupos usam a sua formação militar para conduzir redes de prostituição e as autoridades espanholas não tem compreensão completa da gama de atividades destas gangues".

A nota cita uma organização criminosa russa dedicada aos grupos de pornografia infantil, além de ucranianos, lituanos e chineses estabelecidos em Barcelona, Tarragona e Valência.

O documento secreto foi enviado, entre outros destinatários, aos chefes da agência antidroga DEA e ao FBI (Polícia Federal). Ele detalha um orçamento de US$ 700 mil para a construção da agência e contratação de funcionários.

Leia Também