VÔLEI DE PRAIA

Etapa da Capital aponta duplas campeãs

Etapa da Capital aponta duplas campeãs
16/07/2012 08:12 - Arlindo Florentino


A etapa de Campo Grande do Circuito Banco do Brasil Challenger Vôlei de Praia apresentou campeões inéditos, tanto no masculino quanto no feminino. No masculino, o título ficou com o carioca Beto Pitta e o cearense Lipe, e no feminino, a amazonense Andrezza e a brasiliense Chell fizeram a festa.

Na decisão feminina, Andrezza e Chell derrotaram as também estreantes Raquel e Shaylyn (RJ/CE) por 2 sets a 0, parciais de 21/17 e 21/11. Renata e Elize Maia (RJ/ES) completaram o pódio depois de superarem Thati e Érica Freitas (PB/MG) por 2 a 0, com duplo 21/11.
Andrezza e Chell conquistaram o título sem realizar sequer um treinamento em parceria, já que a amazonense vive em Fortaleza (CE) e a brasiliense mora no Rio de Janeiro (RJ). O primeiro encontro das parceiras foi no qualifying em Campo Grande.

Após esta etapa, Josi/Thais (SC) e Thati/Érica Freitas (PB/MG) dividem a liderança do ranking da competição. Cada dupla soma 920 pontos

No masculino, Beto e Lipe tiveram a companhia no pódio dos vice-campeões Álvaro Filho e Luciano (PB/ES) e pelos terceiros colocados Franco e Daniel Souza (CE/RJ). Na decisão, Beto e Lipe coroaram a ótima campanha nas areias sul-mato-grossenses derrotando Álvaro e Luciano por 2 sets a 0, parciais de 21/15 e 21/13. A decisão de terceiro lugar acabou não acontecendo, por conta de lesão sofrida por Bruno (AM), parceiro do cearense Hevaldo.

Mesmo com a derrota na final, Álvaro Filho e Luciano assumiram a liderança do torneio, com 960 pontos.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".