Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RELACIONAMENTO

Estudo sugere que casais sem filhos são mais felizes

Estudo sugere que casais sem filhos são mais felizes
17/01/2014 00:00 - Exame


Se você está infeliz no casamento, não culpe o parceiro, mas os seus filhos. É o que sugere uma pesquisa feita por cientistas da Open University, no Reino Unido.

Os especialistas ouviram durante dois anos cinco mil pessoas de várias faixas etárias, classes sociais e orientação sexual. E concluíram que casais sem filhos estão mais satisfeitos com seus relacionamentos. Também se sentem mais valorizados do que os casais com filhos.

A explicação científica para essa sensação é que os casais sem filhos dedicam mais tempo à manutenção do relacionamento. Conversam mais abertamente, apoiam mais o parceiro e dizem "eu te amo" com mais frequência.

A probabilidade de os pais sentirem falta de sexo é duas vezes maior do que os homens sem filhos. Segundo o estudo, as mães dizem que sentem menos vontade de fazer sexo do que seus parceiros.

As mães disseram que estão mais insatisfeitas com a qualidade de seu relacionamento. No entanto, se sentem mais satisfeitas com a vida em geral do que qualquer outro grupo analisado. Logo, segundo os autores, ter filhos é uma fonte de felicidade para as mulheres.

As mães também têm duas vezes mais chances de dizer que seus filhos são as pessoas mais importantes em sua vida. Já os pais afirmam que suas parceiras são as pessoas com quem mais se importam.

Mas os cientistas concluíram que há como melhorar a situação dos casais que estão mais insatisfeitos. Dr. Jacqui Gabb, um dos autores do estudo, afirma que muitas pessoas consideram que alguns gestos são tão valiosas como ouvir “eu te amo”.

Agradecer e dar demonstrações de carinho – como preparar uma xícara de chá – são os gestos mais apreciados nos parceiros. Eles também valorizam a ajuda em tarefas domésticas por acreditar que isso contribui para a saúde do relacionamento e o bom funcionamento do lar.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?