Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

SAÚDE

Estudo diz que dislexia pode ter ligação com audição

5 AGO 11 - 18h:00DA REDAÇÃO

Cientistas estão cada vez mais inclinados a acreditar que as dificuldades de leitura da dislexia sejam parte de um problema na maneira como o cérebro processa o discurso e junta palavras de unidades sonoras menores. E não apenas um problema de leitura, no qual as crianças misturam as letras e interpretam as palavras escritas de forma errada.

Segundo estudo publicado na semana passada  no "Science", o modo como os disléxicos escutam a linguagem pode ter mais importância do que se pensava. Pesquisadores do MIT descobriram que pessoas disléxicas têm maiores problemas para reconhecer vozes do que pessoas que não sofrem de dislexia.

John Gabrieli, professor de neurociência cognitiva, e o estudante de pós-graduação Tyler Perrachione pediram a pessoas com e sem dislexia que escutassem gravações de vozes combinadas a personagens que apareciam nas telas dos computadores. As pessoas tentaram associar as vozes aos personagens corretos, primeiro com áudio em inglês e depois numa linguagem não familiar, o mandarim.

Os não-disléxicos associaram corretamente as vozes aos personagens em quase 70% das vezes quando a linguagem era o inglês e metade das vezes quando era o mandarim. Mas as pessoas com dislexia eram capazes de fazer a mesma coisa apenas em metade das vezes, independente da linguagem apresentada nas gravações. Especialistas não envolvidos no estudo disseram que essa foi uma notável disparidade.

"Normalmente, você enxerga enormes diferenças na leitura, mas existem diferenças sutis, no âmbito geral, entre indivíduos que sejam ou não afetados pela dislexia quando a gama de testes é ampla", diz Richard Wagner, professor de psicologia na Universidade Estadual da Flórida. "Esse efeito foi realmente enorme".

Sally Shaywitz, diretora do Centro para Dislexia e Criatividade da Universidade Yale, diz que o estudo "demonstra a centralidade do discurso falado na dislexia --que o problema não está no significado, mas sim na captação dos sons do discurso".

A pesquisa mostra que as deficiências na linguagem falada persistem até mesmo quando os disléxicos aprendem a ler bem. Os sujeitos do estudo eram, na maioria, "jovens adultos altamente funcionais, de QI alto e que haviam superado suas dificuldades de leitura", segundo Gabrieli.

Os especialistas dizem que o novo estudo também mostra a interconectividade dos processos cerebrais envolvidos no ato da leitura. Muitos cientistas consideravam que o reconhecimento vocal era "como reconhecer-se melodias ou coisas primariamente não verbais", disse Gabrieli.

Antes, pensava-se que o reconhecimento vocal era, no cérebro, uma tarefa separada do entendimento da linguagem. Mas essa pesquisa mostra que a leitura normal envolve um "circuito, a habilidade de ter todos esses componentes integrados de maneira absolutamente automática", de acordo com Maryanne Wolf, especialista em dislexia da Universidade Tufts.

"Uma das grandes fraquezas na dislexia é que o sistema não é capaz de integrar esses sistemas guiados por fonemas a outros aspectos da compreensão da linguagem."

(Com informações da Folha)

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Menores infratores armam motim<br> e 27 fogem de Unei pela porta da frente
FUGA EM MASSA

Menores infratores armam motim e 27 fogem de Unei
pela porta da frente

STJ deve decidir destino de Jamil Name nesta semana
MILÍCIA ARMADA

STJ deve decidir destino de Jamil Name nesta semana

Grupo russo mantém interesse <br>em fábrica de fertilizantes
UFN3

Grupo russo mantém interesse
em fábrica de fertilizantes

Após picada de abelha, motociclista alérgico é resgatado por policiais
BR-163

Após picada de abelha, motociclista alérgico é resgatado por policiais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião