Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

Estudante de 16 anos morre baleada durante assalto

8 SET 2010Por 23h:56
Sílvio Andrade, Corumbá

A estudante Aline Pereira Quiantareto, 16 anos, morreu na noite de anteontem com um tiro no peito durante assalto na Rua Teodomiro Serra, no Bairro Popular Velha, em Corumbá. A jovem passeava com um primo, de 15 anos, e ao chegar próxima à Igreja São Vicente de Paula foi abordada por dois rapazes em uma bicicleta. Ela não reagiu ao roubo, entregando seu celular. Mas um dos ladrões, armado com um revólver, apontou-o para sua direção e efetuou um tiro, atingindo o lado direito do tórax da vítima.
Aline fazia o Ensino Médio na Fundação Bradesco e estava passando o feriado prolongado em Corumbá, cidade que faz fronteira com a Bolívia, para visitar a família. O primo que a acompanhava no momento do assalto ficou em estado de choque. Aline morreu em seus braços e houve demora no socorro.
Ele contou à família que teve de arrastar a jovem pelos braços até um bar, onde uma testemunha ligou para a polícia. O delegado que cuida do caso, Enilton Zalla, disse que os criminosos seriam adolescentes. Um deles teria sido identificado ontem, mas estava foragido até o fechamento desta matéria.

Sonho
Família e os amigos de Aline a enterram ontem em clima de consternação e revolta, não se conformando com o fim trágico de uma garota que sonhava terminar o último ano do ensino médio para cursar a universidade. A mãe, Ernestina Pereira, 48 anos, disse que ela trazia muita alegria à família quando a visitava. Aline retornaria ontem à fundação, onde estudava desde 2004.
Assaltos à mão armada nas ruas de Corumbá e da vizinha Ladário, a qualquer hora do dia e noite, tornaram-se casos policiais corriqueiros, a maioria praticada por adolescentes. Eles, geralmente agindo em dupla e com várias passagens pela polícia, trocam celulares, joias, bicicletas e outros objetos pessoais das vítimas por drogas.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também