terça, 14 de agosto de 2018

acidente

Estudante cai de prédio de banco em Três Lagoas

15 MAR 2011Por Ana Maria Barbosa, de Três Lagoas13h:13

Está internada no hospital El Kadri, em Campo Grande, a estudante Nathália Yamamoto Rodrigues, de 19 anos, que caiu de uma altura de mais de 3 metros, na manhã de ontem (14), no prédio ainda em obras onde já estão instalados o banco Sicredi e a Associação Comercial e Empresarial de Três Lagoas, sofrendo esmagamento cervical.
Segundo a família, a moça, que é funcionária da Associação Comercial, está no Centro de Terapia Intensiva (CTI) passando por uma nova bateria de exames antes de ser submetida a uma cirurgia na coluna.

O acidente ocorreu ontem pela manhã, quando Nathália, estudante de Economia, chegou ao trabalho. Normalmente, ela abria uma porta do primeiro andar, que tinha uma laje na soleira, para olhar a obra. Entretanto, segundo sua família, na segunda-feira ela abriu a porta e pisou no vazio, pois a laje havia sido retirada no final de semana. No local não haveria qualquer sinalização quanto ao risco de desabamento ou a porta estaria lacrada por medida de segurança, conforme apurou a reportagem do Correio do Estado, com outros funcionários da associação.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e fez os procedimentos de imobilização e a socorreu ao Hospital Auxiliadora. A estudante estava consciente e sentindo os membros, mas a tomografia computadoriza apontou lesão na vértebra lombar e a equipe médica, junto com a família e a direção da associação comercial, resolveu transferi-la para a capital.

Ainda na tarde de ontem, ela viajou em um jatinho, acompanhada de um médico, totalmente imobilizada. “Pelo estado clínico dela, os médicos optaram por realizar novos exames hoje antes de fazer a cirurgia”, contou a mãe de Nathália, por telefone.

De acordo com informações da Associação Comercial, a existência do buraco que havia após a porta, dando para o vazio, era conhecida dos funcionários, pois no local estaria sendo construída uma passarela. O funcionário que atendeu à reportagem afirmou que a entidade está oferecendo todo apoio à funcionária e aos familiares e que medidas para apurar as responsabilidades estão sendo tomadas.

As informações são de que a obra é de responsabilidade do Sicredi. Por telefone, a reportagem foi informada que o gerente, Alex de Souza Ferreira, só poderia atender após as 13h de hoje (15), pois se encontrava em reunião.

A Associação Comercial está funcionando no local provisoriamente, devido a obras de reforma em seu prédio próprio.


 

Leia Também