Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DESEMPENHO

Estudante brasileiro ganha ouro em competição mundial de matemática

Estudante brasileiro ganha ouro em competição mundial de matemática
16/07/2012 23:00 - terra


O estudante Rodrigo Sanches Ângelo, 16 anos, conquistou medalha de ouro na 53ª Olimpíada Internacional de Matemática (IMO). O evento, considerado o mais importante da área pela Unesco foi realizado na cidade de Mar del Plata, na Argentina, reunindo 551 estudantes. Com este resultado o Brasil foi no 19º lugar entre os 100 países participantes.

Além do ouro, o País também conquistou medalha de prata, com João Lucas Camelo Sá. Já os jovens Franco Matheus de Alencar Severo, Rafael Kazuhiro Miyazaki e Henrique Fiúza Gasparini Nascimento ficaram com a medalha de bronze, enquanto Maria Clara Mendes Silva recebeu uma menção honrosa. A equipe brasileira foi liderada pelos professores, Luciano Castro e Carlos Shine.

Realizada desde 1959, a olimpíada se destina a estudantes do ensino médio cujas idades variam entre os 14 e 19 anos e que não tenham ingressado na universidade. Cada país é representado por uma equipe composta por até seis estudantes e dois professores. As provas foram realizadas nos dias 10 e 11 de julho. Em cada dia, os competidores resolveram três problemas, com valor de sete pontos cada, aplicados em quatro horas e meia de prova.

Os problemas da prova envolveram disciplinas do ensino médio como álgebra, teoria dos números, análise combinatória e geometria. "Os problemas da olimpíada internacional costumam ser mais criativos, não exigindo a aplicação de conhecimentos de matemática avançada, porém, muitas vezes apresentam um alto grau de dificuldade até para matemáticos profissionais", explica o coordenador-geral da OBM, Carlos Gustavo Moreira

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!