Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Estudante atira e mata professor e segurança em escola de Moscou

Estudante atira e mata professor e segurança em escola de Moscou
03/02/2014 12:54 - otempo.com.br


Um adolescente entrou armado nesta segunda-feira (3) na escola onde estuda e matou um professor e um policial antes de ser preso pela polícia de Moscou.

Um policial que atendeu à ocorrência ficou ferido, assim como o jovem agressor. Nenhum outro aluno ficou ferido no ataque assegurou Karina Sabitova, porta-voz da polícia na cena do crime.

O alvo do atirador foi a Escola 263 de Moscou. Vladimir Markin, porta-voz da divisão investigativa da polícia local, disse que, segundo depoimentos colhidos, o jovem atirador era um aluno excelente e aparentemente sofreu um colapso emocional.

De acordo com as primeiras informações, o jovem apareceu na escola armado e um segurança tentou detê-lo. O segurança conseguiu soar um botão de alarme antes de correr atrás do estudante até o laboratório de biologia do 10º ano.

O estudante matou então um professor de geografia de 76 anos de idade e depois abriu fogo contra os policiais que responderam ao chamado antes de ser dominado e preso, relatou Vladimir Markin.

O jovem, cuja identidade não foi revelada, efetuou pelo menos 11 disparos com uma arma de baixo calibre. Também foi encontrada com ele uma carabina. As armas encontradas com o adolescente estavam registradas legalmente no nome do pai dele.

Informou-se inicialmente que, além do professor, um segurança teria morrido no ataque, mas a polícia depois informou que a segunda pessoa morta era um de seus agentes. O estado de saúde do policial ferido é grave.

Esse tipo de ataque é bastante raro na Rússia, mas o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, ordenou uma revisão total do sistema de segurança das escolas da cidade para encontrar eventuais falhas.

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.