Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

'BOLEIRAGEM'

Estilo Dilma vira obstáculo para cartolas

30 ABR 2011Por uol00h:01

A pose sisuda da presidente Dilma Rousseff em aparições públicas é replicada na vida profissional. Pelo menos é o que afirmam diversos cartolas brasileiros, que têm sofrido para defender seus interesses junto à petista, que imprimiu um novo ritmo de negociações nos bastidores do esporte.

Dilma não é apaixonada por futebol. Seus olhos não brilham quando ganha de presente a camisa de um time. Assim, ficou muito mais difícil para os dirigentes terem acesso à presidência. Na era Lula eles se acostumaram a ter seus pedidos atendidos usando argumentos simplistas como “o futebol é a paixão nacional”.

O projeto mais afetado é a Copa do Mundo. Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, por exemplo, se acostumou a “desatar nós” com a ajuda do ex-presidente Lula, com quem mantém uma relação de amizade e convivência. Considerado até no meio político um amigo do ex-presidente, ele tinha seus pedidos atendidos com relativa facilidade. A mais célebre ação do petista a favor de seu time de coração foi dizer aos executivos da Odebrecht que investir no estádio do clube seria um bom negócio.

Lula chegou até a assinar uma medida provisória para que o Corinthians fosse incluído na Timemania, após perder o prazo de inscrição. Ações semelhantes ainda não aconteceram no governo atual.

Os cartolas contam que já sentiram a diferença de tratamento, principalmente aqueles que estão envolvidos com a Copa do Mundo. O tom agora é mais de cobrança do que de ajuda incondicional.

Secretários, prefeitos e membros de Comitês Organizadores das sedes em geral estão na lista de afetados. Dilma Rousseff já sinalizou que cobrará mais firmeza dos envolvidos na organização da Copa do Mundo de 2014.

Sob a influência da presidente, o Ministério do Esporte está em processo de criação de escritórios avançados em cada uma das 12 sedes, em parceria com a FGV. No início desta semana, Dilma reuniu-se com ministros ligados à organização da Copa para conversar sobre o andamento dos processos, e deixou crlaro que vai replicar a cobrança a governadores e prefeitos.

Leia Também