quinta, 19 de julho de 2018

INTEMPÉRIE

Estiagem derruba produção de leite e prejudica plantação de uva em Bagé

29 JAN 2011Por AGÊNCIA BRASIL17h:28

A estiagem que atinge a Região da Campanha gaúcha afeta a produção primária de uma de suas cidades mais importantes. Em Bagé, município com 116 mil habitantes distante 374 quilômetros de Porto Alegre, os prejuízos na agropecuária alcançam R$ 30 milhões, a produção de leite caiu 40% e nos vinhedos, a falta de água atrapalha a maturação das uvas.

Na pequena propriedade de Vilmar Porceles, a produção de leite foi duramente afetada. Duas vacas morreram em consequência da seca. Para minimizar a falta de pasto para os animais, a ração entrou na alimentação, o que encarece o custo de produção. “[A ração] dá acidez ao leite e um produto muito ácido não é comercializado”, observa Porceles. Além disso, os açudes estão quase secos. Se não fosse a Defesa Civil e a prefeitura distribuírem água em caminhão-pipa, o gado não teria o que beber.

A estiagem também castiga a produção de uva que está em fase de amadurecimento. O vitivinicultor Isidoro da Silva Machado diz que os vinhedos estão em dificuldade por conta da seca. “Os cachos estão em fase de maturação e deveriam trocar o verde pelo tom escuro. Com a seca, isso está prejudicado e o vinho que vai ser produzido pode ser de uma qualidade ruim”. 

Para minimizar a falta de água, os vinhedos estão sendo irrigados com a ajuda de um trator. O coordenador da Defesa Civil, Alexandre Melo, afirma que os prejuízos são gigantescos para o município e que “a zona rural é uma matriz importante para a economia da cidade”.

A estiagem é agravada pelo fenômeno La Niña que altera a temperatura das águas do Oceano Pacífico e traz conseqüências para o clima no Sul do Brasil.
 

Leia Também