Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

nacional

'Estamos chegando e não teremos misericórdia', diz Kadafi a rebeldes

17 MAR 11 - 20h:00ESTADÃO

Em tom ameaçador, o ditador da Líbia, Muamar Kadafi, alertou os rebeldes que há um mês iniciaram uma revolta para derrubá-lo que as tropas do governo estão chegando a Benghazi, no leste do país, e "não terão misericórdia". O aviso de Kadafi foi feito nesta quinta-feira, 17, horas antes de o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) votar a imposição de zona de exclusão aérea sobre a nação africana.

Kadafi jurou retomar Benghazi, que desde o início da revolução tem sido a capital dos rebeldes. É na cidade, a segunda maior da Líbia, que operam os campos de treinamento das tropas contrárias ao ditador e o Conselho de Governo Provisório, órgão criado pelos insurgentes para controlar a região leste.

"Está decidido. Estamos chegando", disse Kadafi, que está há 41 anos no poder, ao anunciar a invasão. Segundo o coronel, haverá anistia para aqueles que "abandonarem as armas", mas para aqueles que não se renderem "não haverá compaixão ou misericórdia". "A cidade saberá se é feita de traidores ou heróis. Não me traia, amada Benghazi", completou o ditador.

Mais cedo, o porta-voz do Ministério da Defesa da Líbia os militares poderão atacar aviões civis e navios no Mediterrâneo se houver intervenção militar estrangeira. "Qualquer operação militar contra a Líbia vai expor todo o tráfego aéreo e marítimo no Mediterrâneo ao perigo. E qualquer tráfego civil ou militar será alvo de uma contraofensiva líbia. A bacia do Mediterrâneo será exposta a um perigo grave, não apenas no curto prazo, como também no longo prazo", disse o porta-voz, citado pela agência estatal líbia Jana.

ONU

A ONU vota às 19 horas (horário de Brasília) desta quinta-feira a resolução que autoriza a imposição da zona de exclusão aérea na Líbia. Se aprovada, a medida também que vai ampliar as sanções contra o país africano. O texto tambpem prevê tomada de "todas as medidas necessárias pela defesa dos civis líbios".

A zona de exclusão aérea é um pedido dos rebeldes líbios. Há um mês, eles se levantaram contra o coronel inspirados nas revoltas que derrubaram os regimes ditatoriais da Tunísia e do Egito no início do ano, mas as tropas leais ao ditador, melhor armadas e treinadas, reverteram a situação. Kadafi tem usado aviões para bombardear os insurgentes e por isso a zona pode auxiliá-los.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Tarcísio, ministro da Infraestrutura, vira queridinho de Jair Bolsonaro

BRASIL

Em resposta a Bolsonaro, Maia diz que presidente é quem agride nas redes sociais

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre
BRASIL

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre

BRASIL

Brumadinho: sobe para 212 o número de mortos identificados em tragédia

Mais Lidas