Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Estado vai pagar R$ 48,7 milhões a servidores

Estado vai pagar R$ 48,7 milhões a servidores
10/04/2010 21:09 -


Flávio Paes

 

Os 1.456 servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul vão receber R$ 48,7 milhões do Governo do Estado, que se fossem divididos igualmente, garantiriam a cada funcionário aproximadamente R$ 33 mil. O valor é referente ao pagamento do adicional por tempo de serviço, retroativo ao período entre 1995 e 1999 em que foi calculado sobre o salário-base, quando a legislação da época (lei 1.102 de 1990, o estatuto do servidor) determinava o pagamento sobre o vencimento integral.

A dívida que o Estado reconheceu ontem judicialmente, com o aval do procurador-geral, na 1ª Vara da Fazenda Pública, refere-se a um precatório de R$ 104 milhões . O juiz Nélio Stábile mandou executar o valor reconhecido pelo Estado sobre o qual não haverá mais questionamentos na Justiça. Permanecerá pendente de decisão judicial, a diferença de R$ 55.460.490,02, sobre o valor total pleiteado pelos funcionários.

Este processo arrasta-se há 12 anos, com vitória dos servidores em todas as instâncias. Beneficiava inicialmente os 1.200 funcionários que à época, 1999, eram filiados ao sindicato da categoria (o Sindijus). Neste período, o Estado usou de vários recursos jurídicos para postergar o pagamento.

Ano passado, durante a gestão do desembargador José Carlos Brandes Garcia, na presidência do Tribunal de Justiça, por 10 meses os servidores receberam parcelas retroativas da gratificação, gerando custo adicional, para a folha do Judiciário, de R$ 1 milhão por mês. Com a posse do atual presidente, desembargador Elpídio Helvécio Chaves, desde fevereiro o pagamento está suspenso.

 

Suspensão

A Justiça reconheceu em 2007, em todas as suas instâncias, que o adicional por tempo de serviço (pago a cada cinco anos, sendo de 10% no primeiro quinquênio e 5% até sua aposentadoria) deveria ser calculado sobre o vencimento total. O Estado perdeu o prazo e acabou prevalecendo o cálculo de que os funcionários teriam direito a receber R$ 104 milhões. Em dezembro do ano passado, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça acatou recurso do Estado para suspender o pagamento deste valor total .

Por unanimidade, os desembargadores rejeitaram os embargos e mantiveram a decisão do vice-presidente, Paulo Alfeu Puccinelli, que suspendeu o pagamento da dívida. O Sindijus recorreu da decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O cálculo anexado ao processo prevê que o valor pago a cada servidor deverá oscilar entre R$ 10.100,27 e R$ 255.487,13. O valor total da dívida do Estado com os servidores é de R$ 104.233.947,87. Deste valor, 1% será destinado para o sindicato, que ficará com R$ 1,042 milhão, e 4% para o grupo de advogados, no valor de R$ 4,1 milhões.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!