Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LISTA SUJA

Estado tem 24 nomes no ranking do trabalho escravo

Estado tem 24 nomes no ranking do trabalho escravo
03/01/2014 00:00 - PATRÍCIA BELARMINO


Mato Grosso do Sul tem 24 empregadores na “lista suja”, publicada pelo Ministério do Trabalho e pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, no fim de dezembro.
A lista é atualizada a cada seis meses e tem, ao todo, 579 nomes de empregadores flagrados na prática de submeter trabalhadores a condições análogas à de escravo, sejam pessoas físicas ou jurídicas.

Conforme a portaria interministerial, atualizada no dia 30 de dezembro, desta vez foram incluídos 108 novos empregadores e reincluídos outros dois, em razão de determinação judicial.

Outros 17 empregadores tiveram seus nomes retirados da lista após cumprirem os requisitos administrativos exigidos pelo ministério.

Entre os nomes de empregadores sul-mato-grossenses presentes à lista estão empresários que atuam em diversas regiões do Estado, principalmente no ramo de carvoaria.

A maioria desses empregadores entrou para a lista negra no segundo semestre do ano passado.

Contudo, há nomes que constam no cadastro federal desde 2006. Um dos empregadores do Estado chegou a conseguir na Justiça a retirada do nome da fazenda no cadastro.

Conforme o Ministério do Trabalho, o estado do Pará apresenta o maior número de empregadores inscritos na lista, totalizando 26,08%, seguido por Mato Grosso com 11,23%, Goiás com 8,46% e Minas Gerais com 8,12%.

Um empregador passa a integrar o cadastro após decisão administrativa final relativa ao auto de infração, em que houve identificação de trabalhadores submetidos ao trabalho escravo.
Pela regra, é tido trabalho escravo quando o empregado não consegue se desligar do patrão por fraude ou violência.

Ou quando é forçado a trabalhar contra sua vontade e ainda quando é sujeito a condições desumanas.  

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?