Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MATO GROSSO DO SUL

Estado pede à União 'socorro' de <br> R$ 3 mi mensais para a Santa Casa </br>

Estado pede à União 'socorro' de <br> R$ 3 mi mensais para a Santa Casa </br>
25/06/2012 17:10 - Vânya Santos e Gabriel Maymone


O governo do Estado aguarda a resposta do Ministério da Saúde para a liberação de recursos mensais no valor de R$ 3 milhões para a Santa Casa de Campo Grande. Segundo a secretária de estado e saúde, Beatriz Dobashi, atualmente, o déficit mensal do hospital está em média R$ 2,5 milhões. “Com o aumento do repasse da União, governo e município também aumentam os recursos em 10%”, explica.

A secretária argumenta que a maior dificuldade do hospital é a compra diária de equipamentos e suprimentos. “Dívidas anteriores estão sendo negociadas paulatinamente. Estamos pagando, além das contas normais, R$ 159 mil por mês para quitar débitos. Havia atraso nos encargos que foram colocados em dia. Para fechar as contas fazemos um verdadeiro malabarismo”, argumenta.

Ela lembra que houve avanço na disponibilidade de recursos do hospital. “Antes, o Governo Federal repassava R$ 600 mil, do estado e município eram R$ 200 mil. Depois o ministro veio ao Estado e aumento o repasse para R$ 2 milhões”, completa Dobashi.

Gerenciamento

Com o término da intervenção judicial na Santa Casa para março de 2013, o Estado analisa a criação de uma fundação, com administração compartilhada entre sociedade civil e pública, para angariar recursos com a participação da sociedade. “Estamos analisando a melhor forma, juridicamente e operacionalmente, para a situação”, finaliza a secretária.

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.