Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Estado espera por rede de esgoto para fazer transferência de presos

Estado espera por rede de esgoto para fazer transferência de presos
26/03/2010 06:14 -


A falta de rede de esgoto no Centro Penal Agroindustrial de Campo Grande, que fica na região da Gameleira, saída para Sidrolândia, impede a ativação da unidade penal. De acordo com a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o prédio está pronto para receber detentos em regime semiaberto, mas só pode ser inaugurado quando a obra de saneamento for concluída. “Ocorre que as obras para o sistema de esgoto do Presídio Agroindustrial precisam passar por uma área federal e por isso precisamos resolver algumas questões burocráticas em Brasília”, disse o secretário Wantuir Jacini. O secretário afirma que, apesar das pendências, presos começam a ser transferidos para o local no próximo mês. “Em meados de abril, o Centro Penal da Gameleira já deve ser ativado”, diz Jacini. O Centro Penal Agroindustrial tem capacidade para mil internos. Serão levados para a unidade dententos que cumprem pena em Dois Irmãos do Buriti. A ação deve liberar de 350 a 400 vagas no presídio do município, construído para o regime fechado, e também atender à decisão judicial que determinou a transferência de presos de Campo Grande. O novo semiaberto conta com mais de seis mil metros quadrados de área construída e está localizado numa área de 50 hectares. São 120 celas, sendo 40 individuais. Nas celas coletivas que vão abrigar pelo menos 12 internos, foram construídos treliches com banheiros. Em frente às celas, há um amplo espaço para o banho de sol. (NC)

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!