FUNCIONALISMO PÚBLICO

Estabilidade financeira é o maior atrativo

Estabilidade financeira é o maior atrativo
27/08/2012 00:00 - Agência Brasil


A busca por uma vaga no serviço público continua em alta e os candidatos não desanimam, mesmo diante das greves que mobilizam há quase três meses cerca de 30 categorias em busca de reajustes salariais e de reestruturação das carreiras.

Segundo as pessoas ouvidas pela Agência Brasil, a estabilidade financeira é o maior atrativo do serviço público, seguida por outros benefícios como o plano de saúde, o décimo terceiro salário, as férias e a jornada de trabalho definida. Para alguns, Brasília é a cidade onde há maior número de concursos e vagas, e, por isso, é considerada ''a capital do concurso público''.

Para a vendedora Nayara Cristina Ribeiro, 18 anos, "por mais difícil que pareça, passar em um concurso público é a maneira mais fácil de conseguir um bom emprego com todos os benefícios, como plano de saúde, décimo terceiro salário e férias". Ela afirma que a greve dos servidores "assusta um pouco", mas não chega a desanimar.

Filha de servidor público, a estudante Luna Rodrigues, 33 anos, diz que nunca pretendeu trabalhar na área até casar. "Quando me casei, surgiu a questão da estabilidade. Para ter um pouco de tranquilidade é preciso um salário razoável, e, por isso, cogitei a ideia do serviço público. Apesar das greves, eu ainda tenho preferência pelos concursos federais", diz ela.
Formando em marketing, Felipe Pereira Sales, 23 anos, afirma que está complicado trabalhar no setor privado devido à alta competitividade e à falta de estabilidade. "A principal razão que me fez entender a importância do serviço público é a qualidade de vida, até mesmo pela jornada de trabalho", diz.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".