DIZ PROCURADOR

Esquema de Cachoeira movimentava R$ 3 milhões

Esquema de Cachoeira movimentava R$ 3 milhões
21/08/2012 15:42 - agência Brasil


O esquema criminoso chefiado pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, chegava a faturar, mensalmente, em Goiás, entre R$ 1 milhão e R$ 3 milhões com a exploração do jogo do bicho e com máquinas caça-níquel, de acordo com o procurador da República no estado Daniel Rezende. De acordo com o procurador, cerca de R$ 167 milhões da quadrilha foram sequestrados após as operações Monte Carlo e Vegas.

Ao lado da também procurada Léa Batista de Oliveira, Rezende presta depoimento neste momento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do Cachoeira. Os dois integraram as operações Monte Carlo e Vegas, da Polícia Federal, que resultaram na prisão de Cachoeira, em fevereiro.

“A movimentação financeira do grupo era imensa, muito grande. Foram feitos alguns levantamentos em que, durante um determinado período, algumas casas de jogos localizadas em alguns municípios chegavam a amealhar mais de R$ 3 milhões”, disse Rezende.

De acordo com o procurador, as investigações apontaram que a quadrilha chegava a ter “prejuízo” de R$ 200 mil por máquina caça-níquel apreendida durante as operações policiais. “Por isso, eles [a quadrilha] viam a cooptação de agentes de Estado como forma de investimento para evitar as perdas com as apreensões”, disse o procurador.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".