quinta, 19 de julho de 2018

Lista

Esquadrão da Vida passa a integrar lista

27 DEZ 2010Por DANIELLA ARRUDA05h:40

Promover a prevenção e recuperação de adolescentes, jovens e adultos dependentes químicos, além da reinserção dessas pessoas na sociedade. É com esse objetivo que há 11 anos nasceu o Esquadrão da Vida, uma entidade que conta hoje com três unidades em Campo Grande, atendendo cerca de 100 pessoas (na faixa etária mínima de 13 anos). Gente como Elisa (nome fictício), 18 anos, que está há três meses internada na unidade feminina do Esquadrão da Vida e chegou à maioridade no local. “Se não fosse Deus e o amor desse trabalho que fazem com a gente, não sei como seria”, comentou a jovem.

O Esquadrão da Vida tem sua coordenação formada por pastores do Ministério Parceiros da Vida, mas seus integrantes evitam falar em conversão religiosa, embora conste entre as atividades desenvolvidas entre os internados o estudo bíblico e o acompanhamento espiritual. “Independentemente de religião, aqui pregamos o princípio da igualdade. O objetivo é trazer de volta à vida essas pessoas. Muitas chegam aqui sem qualquer vínculo com nada”, conta a pastora Tânia Maria Fróes Cerzósimo, que coordena a unidade feminina da entidade, atualmente com 23 adolescentes, jovens e adultas.

Além da recuperação espiritual, o foco do Esquadrão da Vida é a laborterapia (tratamento pelo trabalho) e a permanência mínima dos internados no local é de quatro meses. No caso da unidade feminina, as próprias internadas cuidam da estrutura do local, revezando-se nas atividades de limpeza, cozinha, horta e cuidados com os animais domésticos, como galinhas e gansos. Por meio das atividades do dia-a-dia, laços começam a ser estabelecidos e as jovens conscientizam-se de que é possível recomeçar. “Vira uma família”, reconhece outra internada, Roberta (nome fictício), de 26 anos. Após passar pelo que classifica como “inferno” das drogas durante três anos e entrar e sair de várias entidades, a jovem chegou ao Esquadrão da Vida neste ano, enquanto o marido, também dependente químico, ingressava na unidade masculina.

Já recuperada, Roberta aguarda agora pelo primeiro filho do casal, uma menina. Embora já possa ir para casa, ela decidiu passar as festas de fim de ano na própria unidade e faz planos para o futuro. “Quero começar a viver, curtir minha filha e não saber mais o que é coisa ruim”, planeja.

Ajuda
O Esquadrão da Vida tem sua estrutura mantida por meio de parcerias e doações voluntárias (os gastos mensais giram em torno R$ 50 mil) e passou a integrar a lista de entidades assistenciais aptas a receber recursos da campanha Clique Esperança no ano passado. Os interessados em contribuir para a manutenção desta entidade podem acessar o site www.cliqueesperanca.org e ajudar. (DA)

Leia Também