Terça, 20 de Fevereiro de 2018

SAÚDE

Especialista apresenta nova técnica para correção de nariz

12 NOV 2010Por DA REDAÇÃO18h:00

Uma nova técnica, denominada de “camuflagem”, desenvolvida pelo cirurgião plástico brasileiro Alan Landecker para proteger o resultado da cirurgia plástica de nariz (rinoplastia) a longo prazo, será apresentada durante o 47º Congresso Brasileiro de Cirurgia Plástica, que começou ontem e termina no dia 15 de novembro, no Centro de Convenções de Vitória (ES).
Segundo o Dr. Alan, no processo natural de envelhecimento, ocorre um afinamento da pele no nariz, levando à maior visibilidade dos contornos das cartilagens. Em pacientes que apresentam a pele fina e que se submeteram à cirurgia de nariz, esse processo tende a se acelerar, podendo comprometer o resultado da operação depois de 5 ou 10 anos do procedimento, fato que deixa as cartilagens e ossos do nariz perceptíveis por baixo da pele. Mas, com a técnica de “camuflagem”, criada por ele, esse tipo de alteração no órgão pode ser evitada.   

Essa técnica permite “reforçar” a espessura da pele do nariz, por meio da colocação de uma pequena faixa de tecido retirada da fáscia temporal do próprio paciente – essa região fica localizada na parte do crânio acima da orelha e embaixo do couro cabeludo. “O corte para a retirada deste tecido é tão pequeno (1,5 cm) que não fica cicatriz e é indolor”, ressalta o médico. No processo de finalização da cirurgia, ele coloca a faixa de tecido temporal entre a cartilagem e a pele, como se fosse um forro ou manta de contenção. “Eu cubro o dorso e a ponta do nariz com esse material, conforme a necessidade de cada paciente”, destaca Dr. Alan.

Segundo o médico, o afinamento da pele do nariz ocorre mais frequentemente em pessoas com pele clara (caucasianos), mas também depende muito da genética do indivíduo. “Depois de 1 a 2 anos da cirurgia, o afinamento da pele desses pacientes não é visível, porque há um inchaço residual que esconde a situação real. No entanto, depois de 5 a 10 anos, as cartilagens e ossos podem ficar aparentes, causando deformações estéticas, como depressões, abaulamentos e assimetrias. A camuflagem reduz esse risco”, explica ele. “O principal objetivo é que o nariz do paciente fique a vida toda do mesmo jeito que o cirurgião estruturou”, finaliza.

Leia Também