CORUMBÁ

Escola que homenagearia Bernal não sairá

Escola que homenagearia Bernal não sairá
02/03/2014 13:15 - DIÁRIO CORUMBAENSE


A escola de samba Imperatriz Corumbaense, do Grupo de Acesso, anunciou que não irá desfilar neste domingo (02), em Corumbá. A informação é do presidente da Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba), Enilde Vital, mais conhecido como Nelson. 

O enredo da Imperatriz Corumbaense, “Alcides Bernal das ondas do rádio à legislação, filho de Corumbá brilha na Cidade Morena, Pantanal e Região”, homenageava o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal. Pela ordem do desfile de hoje, a agremiação seria a terceira a passar pela passarela do samba.  

"O presidente (Clemilson Medina) encaminhou ofício à organização do Carnaval e à Liesco, informando a decisão. Ele alegou que a escola está pronta, mas que tem uma dívida de 8 mil reais com integrantes e que não tem como pagar. Mas isso não impede que na hora do desfile, a agremiação esteja na concentração e se apresente mesmo sem todos os componentes", explicou ao Diário Corumbaense.

O presidente da Liesco disse ainda que se a escola de samba não desfilar, vai sofrer punições, como a suspensão do carnaval e ainda vai responder pelo repasse de verba pública. Enilde Vital lembrou que as escolas de samba do Grupo de Acesso receberam, cada uma, verba de 53 mil reais, repassada pela Prefeitura e pelo Governo do Estado.

"Os gastos da escola ficaram em R$ 61 mil. Não tenho dinheiro para pagar comissão de frente, músicos, baianas, os empurradores de carro, o intérprete e outros prestadores de serviço", disse ao Diário, o presidente da agremiação, Clemilson Medina ao descartar a possibilidade de desfilar mesmo sem todos os componentes. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".