Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

VALORIZAÇÃO

Escassez faz preço do algodão subir 89%

10 SET 10 - 07h:52
Carlos Henrique Braga

A redução de 30% na área plantada de algodão nos últimos três anos diminuiu os estoques e, por consequência, elevou preços pago ao produtor em até 89,4% em Mato Grosso do Sul. O tipo pluma, usado pela indústria têxtil e presente em 95% das lavouras do Estado, é comercializado por R$ 72 por arroba, mas já foi vendido a R$ 38 em Chapadão do Sul, principal polo produtor.
Os preços baixos afugentaram agricultores e a área destinada à planta no Estado encolheu de cerca de 52 mil hectares, em 2007, para 36,9 mil hectares neste ano. A redução ocorreu em todo o País. “Eles estavam desmotivados, foi preciso depender das compras do governo para não perder ainda mais, isso fez com que os produtores mudassem de atividade, o que provocou escassez e preços altos”, explica o dirigente da Associação de Produtores de Algodão do Estado (Ampasul), Adão Antonio Hoffmann.
Segundo o executivo, é preciso importar 250 mil toneladas de algodão porque a produção nacional deste ano (1,05 milhão de toneladas) não foi suficiente para abastecer indústrias e cumprir contratos de mercado futuro. “A indústria precisa de 900 mi toneladas e os contratos, de mais 400 mil, então faltam 250 mil toneladas que vão ter que vir de fora”, diz Hoffmann.
O preço nas alturas já chama os produtores de volta, o que pode resultar na reconquista dos 15 mil hectares perdidos.  O executivo da associação estima em 30% o incremento de área na safra 2010/11, que começa a ser plantada em dezembro. Segundo estimativa de safra da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada ontem, houve aumento de 4,6% na área plantada de algodão pluma no Estado na safra 2009/10, passando de 36,9 mil hectares, registrados na safra 2008/09, para 38,6 mil hectares. No entanto, a produção de 55,8 mil toneladas da safra atual deve ser 2,4% menor do que a de 57,2 mil toneladas da anterior.
A retomada do cultivo resultará em preços menores ao produtor no final de 2011. “É claro que com mais produção os preços tendem a cair”, opina Hoffmann. Para ele, seria razoável manter valores na casa dos R$ 60 por arroba, respeitando o preço mínimo de R$ 44,60. “Com menos do que isso não conseguiríamos pagar nossas despesas e ter lucro”, analisa.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião