domingo, 22 de julho de 2018

SEGUNDO MANDATO

Equilíbrio financeiro, maior desafio de André

31 DEZ 2010Por adilson trindade00h:00

O maior desafio do governador André Puccinelli (PMDB) no exercício do segundo e último mandato, que se inicia amanhã, é manter o equilíbrio econômico-financeira para assegurar o superávit. Segundo ele, Mato Grosso do Sul começará o próximo ano com maior capacidade de investimentos em obras. "Nunca houve no Estado sucessivo equilíbrio econômico-financeira com superávit", observou o governador. Em outras épocas, lembrou André, a situação financeira do Estado "flutuava, flutuava, flutuava e o meu desafio foi manter o equilíbrio para adequar uma velocidade de investimentos sem regredir".

Ele lembrou das dificuldades enfrentadas no início do mandato, em 2007, quando herdou do Governo do PT dívidas, contas bloqueadas, atraso na folha salarial e elevado déficit. Para André, o desajuste nas contas públicas impediu de promover investimentos. "No primeiro ano não tínhamos capacidade para gastar nada", lamentou. "Só começamos investir no final do mandato", ressaltou depois de ajustar a economia de Mato Grosso do Sul.

Os números da economia do Estado, no início de 2007, segundo André foram assustadores. Ele disse ter herdado R$ 6,096 bilhões de dívidas de Mato Grosso do Sul com a União e R$ 1,67 bilhão de dívidas vencidas, incluindo os precatórios. O governador lembrou ter pago precatório de 1992. "Veja aí como estava a situação financeira do Estado", comentou.

Quando assumiu o Governo, André Puccinelli destacou ainda outro ponto negativo da situação financeira do Estado. "Herdei o Estado com um déficit mensal de até R$ 30 milhões com receita bruta em torno de R$ 350 milhões", disse.

Depois de cumprir os quatro anos do primeiro mandato, o governador André Puccinelli sente-se aliviado por ter ajustado as contas públicas de Mato Grosso do Sul. Ele zerou o déficit financeiro e reconquistou a capacidade de investimentos. "A dívida hoje está em torno de R$ 5,95 bilhões, a dívida vencida não saberia te dizer, deve estar mais ou menos em R$ 500 milhões e deveremos fechar o ano com R$ 300 milhões em caixa", afirmou.

 Início e fim de carreira
André Puccinelli está decidido a encerrar a carreira política em 2014 quando estará concluindo o segundo mandato de governador. Para ele, chegou a hora de se dedicar mais à família, dar mais atenção aos netos e curtir um pouco mais a vida.

Depois por tudo que viveu na política como administrador, o desejo dele é ficar na história como melhor governador de Mato Grosso do Sul. Ele já se destacou, como lembrou, como um dos maiores prefeitos de Campo Grande.

Mas nem tudo foi fácil para André na sua trajetória política. O começo da jornada aconteceu em Fátima do Sul como candidato a prefeito, em 1976, pelo antigo MDB que anos depois, com a reforma partidária, se transformou no PMDB. "Fui o candidato mais votado", lembrou. Mas não levou. Ele perdeu a eleição para Hermindo de David, que foi beneficiado pelo sistema da sublegenda com a soma dos votos de outros candidatos.

Com a primeira eleição direta para governador de Mato Grosso do Sul, em 1982, o PMDB saiu vencedor com Wilson Barbosa Martins. André foi convidado para assumir a Secretaria Estadual de Saúde. Ficou até 1984 e dois anos depois, em 1986, foi eleito deputado estadual como o mais votado. Em 1990, foi reeleito como o segundo mais votado.

Deu zebra
Em 1994, André Puccinelli concorreu a uma vaga de deputado federal. Foi o campeão das urnas como o mais votado, mas não permaneceu muito tempo em Brasília. "No meio do mandato concorri à Prefeitura de Campo Grande, deu zebra e ganhei", afirmou.

A eleição para a prefeitura foi em 1996. A vitória de André sobre o então deputado estadual Zeca do PT (José Orcírio dos Santos) foi apertadíssima. Ele ganhou por diferença de 411 votos.

Dois anos depois, André assistiu ao seu rival Zeca do PT vencendo a disputa para o Governo do Estado e, em 2007, recebeu a faixa de governador justamente das mãos do arquirrival José Orcírio. Os dois voltaram a se confrontar nas eleições deste ano. Mais uma vez André venceu. Não foi apertado como a de 1996.


 

Leia Também