Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Omissão de Socorro

Entregador de jornais já está no CTI e aguarda vaga no centro cirúrgico

16 MAI 2011Por Gabriel Maymone11h:46

O entregador de jornais, Emerson Aparecido Fernandes de Abreu, de 36 anos, que foi atropelado na Rua Bahia, em Campo Grande, pelo médico Rodrigo Corrêa Campos, de 28 anos, na manhã de sábado, está no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) da Santa Casa e aguarda por uma vaga no centro cirúrgico. Ele foi encaminhado ao hospital em estado grave, com traumatismo craniano.

O trabalhador trafegava em sua motocicleta quando foi colhido pela caminhonete que seria de propriedade do vice-prefeito de Ponta Porã, Eduardo Esgaib Campos, pai do médico.

A Polícia Civil ainda não começou as investigações e, segundo informações da 1ª DP, as ocorrências do fim de semana são despachadas na segunda-feira aos delegados responsáveis e, até o momento, o caso ainda não foi encaminhado.

Apesar de ser médico, Rodrigo - que segundo testemunhas estaria visivelmente embriagado - tão logo atropelou Emerson tentou evadir-se do local com a caminhonete mas foi impedido. Foi então que ligou pelo celular e veio em seu auxílio uma mulher que o levou do local.

O socorro à vítima foi prestado por uma equipe do Serviço Móvel de Urgência (Samu) que coincidentemente passava pelo local.

A caminhonete foi recolhida no pátio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/MS).

O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul (CRM/MS) informou que ainda não tomou conhecimento do caso mas que ainda hoje vai tomar uma posição a respeito.

Omissão

Omissão de socorro é crime previsto no Código Penal. Diz no artigo 35:  “Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública: Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.- A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte”.  

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também