Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

Saúde

Entrando em forma sem riscos

5 JAN 2011Por Thiago Andrade00h:00

Chegou o verão, as festas de fim de ano passaram e é hora de lidar com os quilinhos a mais. Para os que preferem evitar academias, os parques e pistas espalhados por toda a Capital são uma ótima opção. Além de gratuitos, os locais com pistas para caminhada e ciclovias são abertos e favorecem o contato com o ar livre. Mas, ao contrário do que se pensa, não adianta vestir roupas esportivas e simplesmente iniciar os exercícios, pois existem riscos de lesões e até problemas mais graves no caso de pacientes cardiopatas, por exemplo.

“O primeiro passo para começar qualquer atividade física, por mais que pareça inofensiva, é fazer uma avaliação médica. Consultar um médico cardiologista e fazer exames para constatar se o paciente é ou não hipertenso já diminui muito alguns riscos”, alerta Carolina Salles, educadora física e coordenadora do Projeto Movimente-se da Fundação Municipal de Esportes (Funesp). Segundo ela, a caminhada é um dos poucos esportes recomendados para todas as pessoas por ser saudável e seguro. A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que 30 minutos diários de caminhada são o suficiente para se deixar de lado o sedentarismo e viver uma vida saudável.

A dica para praticar o esporte é começar aos poucos. Nada de caminhar meia hora diária depois de anos passando o dia inteiro sem fazer nada. “Pode parecer pouco, mas 30 minutos exigem bastante do corpo. O importante é sentir e não forçar demais. Para principiantes, dez minutos são um bom começo. A medida que o corpo ganha resistência, pode-se aumentar”, descreve a educadora. Segundo ela, a indicação da OMS pode ser dividida durante o dia. “Caminhar dez minutos durante a manhã, a tarde e à noite já garantem melhora considerável na qualidade de vida”.

Acelerando
Quem pensa que caminhar não é suficiente e quer partir para a corrida ou cooper, como é conhecida, precisa ter calma. Por ser um esporte que causa maior desgaste físico, os cuidados também precisam ser redobrados. “O primeiro passo é a avaliação médica, de um cardiologista. Mas, neste caso, também é importante contar com o acompanhamento de um profissional de educação física, que pode oferecer indicações sobre aquecimento, postura, respiração e corrigir alguns vícios que podem prejudicar os joelhos”, aponta Carolina.
Entre as dicas que a educadora oferece, a principal é nunca começar a correr de uma vez. O primeiro passo é caminhar e aumentar o ritmo gradativamente até que o corpo esteja condicionado para suportar uma corrida, evitando lesões musculares, de tendões e articulações. “A falta de orientação faz com que muitos esqueçam a importância de aquecer e alongar o corpo, mas para evitar problemas é imprescindível fazê-lo”, pontua.

Hora da saúde
Ontem, o tempo fechado não impediu que Oswaldo de Almeida, advogado de 69 anos, fosse caminhar na Praça Esportiva Belmar Fidalgo, localizada no centro da Capital. “Venho sempre que possível, há anos. Tenho colesterol alto e procuro reduzi-lo caminhando. Dou cerca de 10 voltas, um total de 4,2 mil metros”, aponta. Segundo ele, desde que começou a caminhar “quase diariamente”, sua condição física melhorou muito. “Tenho mais ânimo para fazer atividades corriqueiras. Não sou muito rigoroso com meu treino, procuro não exagerar”, descreve. Sempre que vai a algum médico, Oswaldo discute questões relacionadas às caminhadas para saber se está seguindo por um bom caminho.

Juliana Pereira é adepta da corrida. A administradora de 33 anos passou alguns anos sem praticar atividades físicas em razão de uma lesão no pé, mas retornou há cerca de um mês. “Eu gosto de correr. Durante um tempo alternava corrida e caminhada, mas hoje só corro. Não procurei nenhum profissional, mas procuro não exagerar”, aponta. O motivo da visita à Praça Esportiva Belmar Fidalgo, no entanto, era outro. Ela levou o filho para se divertir no local e aproveitou para correr um pouco. “Geralmente, corro em uma praça perto de casa”, afirma.
No caso do casal Cristina Matsusita e Alexandre Aguena, caminhadas e corridas não costumam fazer parte da rotina. “A falta de tempo é maior que a vontade de praticar alguma atividade física”, explica a dentista de 40 anos. Já para Alexandre, a preferência é por esportes como futebol. “Mas machuquei meu joelho e acabei de terminar a fisioterapia. Vim aqui no parque correr um pouco e ver se não tenho problemas”, aponta ele, que é analista de sistemas e tem 39 anos.

O movimento no Belmar Fidalgo não era dos maiores, em razão do dia chuvoso. Mas a partir da próxima segunda-feira, o retorno do Projeto Movimente-se, tanto lá quanto em outras praças e parques da Capital, promete animar o público, promovendo saúde e bem-estar. Confira abaixo os locais e horários no qual o projeto é realizado, além de alguns outros pontos em que o público pode praticar atividades físicas ao ar livre.

Centro Olímpico da Vila Nasser – Terça-feira e quinta-feira – às 18h

Praça Esportiva Elias Gadia – Terça-feira e quinta-feira – às 18h

Parque do Sóter – Quarta-feira e sexta-feira – às 18h

Praça Esportiva Belmar Fidalgo – Segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira – às 7h15min e às 18h15min

Praça da Coophatrabalho – Terça-feira e quinta-feira – às 7h

Praça do Papa – Segunda-feira e quarta-feira – às 18h

Parque Florestal Antônio de Albuquerque – Segunda-feira a sábado, das 5h às 19h

Parque das Nações Indígenas – Terça-feira a domingo – das 6h às 21h30min

Orla Morena – Aberta diariamente ao público (o projeto neste local começará em fevereiro)

Leia Também