Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 12h55min

Entidades combatem redução de horário no TJ

3 AGO 10 - 08h:30
Silvia Tada

Entidades ligadas ao setor produtivo do Estado manifestaram-se contra a mudança do horário do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS) que, a partir de setembro, funcionará das 12h às 19h. Ontem, representantes das instituições como as Federações das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), do Comércio (Fecomércio) e das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul (Faems) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) foram à Ordem dos Advogados do Brasil, seccional MS (OAB-MS), e iniciaram campanha contra o que dizem ser um “atraso” para o Estado.
Para o representante da CDL no evento, Dendry Rios, as entidades entendem que a mudança “impedirá o desenvolvimento do Estado”. “Hoje, a classe comerciária já sofre com o horário da Junta Comercial, que é de meio período, pela manhã. Agora, com o Fórum aberto no período da tarde, vai ficar ainda mais difícil. Um funcionário que precisar de atendimento na Justiça, terá de faltar ao trabalho e isso é ruim”, afirmou.
Segundo Rios, mais entidades serão convocadas para aderir ao manifesto, que tem como tema: “Novo Horário da Justiça Estadual, Um atraso para Mato Grosso do Sul”.
O juiz-auxiliar da presidência do TJ-MS, Marcelo Rasslan, afirmou que nenhum representante dessas entidades procurou o tribunal para ver “o outro lado”. “Demos entrevista coletiva, estamos à disposição para atender a todos, mas ninguém nos procurou. Um juiz, quando vai julgar, ouve todas as partes. E nós não fomos ouvidos para explicar o porquê da nossa decisão”.

Avaliações
A mudança de horário da Justiça estadual é temporária, de setembro até o fim de fevereiro do ano que vem. As primeiras avaliações sobre o impacto causado pela alteração (atualmente, o Poder Judiciário funciona das 7h às 18h), serão feitas 30 dias após a adoção do novo expediente.
“A aceitação entre os servidores tem sido muito grande. Todos os juízes de Dourados, Ponta Porã, Sidrolândia e Maracaju com quem conversei apoiaram o novo horário”, garantiu Rasslan.
Com relação ao cumprimento da Resolução 88 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o magistrado relembrou que foi enviado um projeto de lei para a Assembleia Legislativa para alterar a jornada de trabalho de 6h para 7h. No entanto, os deputados consideraram a mudança, sem alteração dos vencimentos, inconstitucional. O CNJ foi avisado sobre o problema e não teria se manifestado sobre o caso.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Após três quedas seguidas, gasolina volta a subir em Campo Grande

Etanol apresentou redução e diesel ficou estável, segundo ANP
Candidatos chegam mais cedo por preocupação com mudança no horário
CONCURSO PÚBLICO

Candidatos chegam mais cedo por preocupação com horário

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul
ECONOMIA REGIONAL

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul

Em MS, 12 escolas estaduais oferecerão aulas em tempo integral
ENSINO MÉDIO

Em MS, 12 escolas oferecerão aulas em tempo integral

Mais Lidas