Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Conservação

Entenda como a luz do sol pode acabar com a decoração

20 MAR 11 - 23h:00Terra

A claridade é uma aliada da decoração. Afinal, é por meio da luz que conseguimos destacar os objetos decorativos e criar um clima intimista e aconchegante. Mas o excesso de luminosidade natural também pode colaborar para o desgaste precoce de alguns itens que ornam e personalizam o ambiente.

Uma casa repleta de janelas ou com cobertura transparente, seja por telhas de vidro ou por policarbonato, pode apresentar alguns problemas como piso trincado, móveis rachados e estofados e tapetes desbotados ou manchados. Em ambientes como home theater, ainda temos o desconforto térmico que o calor trazido por esse tipo de luz proporciona ao local, lembrou Clarissa Ferreira designer e diretora de arte da Tec Dec, empresa especializada em tecidos para a decoração, de São Paulo, SP.

Problemas comuns

A luz do sol pode ser uma vilã da decoração, pois os raios ultravioleta são mais danosos aos objetos do que a luminosidade artificial. O arquiteto Marcelo Rosset, da capital paulista, exemplificou, dentre outros problemas, aqueles que afetam itens de madeira: pisos e móveis deste material podem empenar, rachar e desbotar com a constante exposição solar. E não é necessário deixá-los na área externa para perceber os danos. Só de ficarem próximos de janelas, os defeitinhos começam a surgir. Rosset contou que não é preciso entrar em pânico caso seja uma vítima do excesso de claridade. Afinal, é possível lixar o piso ou o móvel e aplicar resina para disfarçar o dano. A arquiteta capixaba Vivian Coser contou que pisos de pedra também podem perder a cor e algumas tintas acrílicas usadas na parede podem esmaecer ou amarelar com a claridade.

Os estofados e tapetes também merecem atenção especial. Sofás de couro, por exemplo, devem ficar sempre na direção oposta à claridade, pois podem surgir rachaduras e manchas permanentes sobre sua superfície, comprometendo o visual do ambiente. Já as fibras naturais, como algodão e linho, também são mais propensas a desbotar com o tempo - e o problema é irreversível. Alguns tecidos não são preparados especialmente para ficarem expostos à luz solar. Por isso, sofrem descoloramento, justificou Clarissa.

Quase um filtro solar

As cortinas e persianas são recursos que ajudam a proteger a decoração do excesso de luz natural. Há tecidos, como os blackouts, que vedam totalmente a entrada da claridade e são boas opções para casas com muitas janelas. Algumas persianas, dependendo do material do qual são feitas, também conseguem proteger o ambiente. O principal é como estes tecidos são fabricados e instalados, citou Clarissa. Vivian frisou que as telas solares também são ótimas opções, pois as fibras do tecido podem ser reguladas para permitir o controle da insolação no local, além de regular a visibilidade para a área externa, segundo a necessidade do morador.

E se a luminosidade não vier de janelas, e sim do teto? Neste caso, o ideal é usar uma película protetora nas telhas ou no policarbonato para filtrar o excesso de claridade, orientou Rosset. O policarbonato costuma ter proteção contra os raios UVA e UVB e, assim, protege mais do que outros materiais transparentes, contou Vivian.

Sem uni-duni-tê

Planejar como será a decoração em ambientes com muita radiação solar é mais do que essencial. Por isso, antes de ir às compras dos móveis e ornamentos para deixar o ambiente customizado, é preciso atentar para a posição que cada um terá dentro do local e às condições a que serão submetidos. Marcelo Rosset orientou que móveis com eletrodomésticos devem ser mantidos distantes da luminosidade. No caso da televisão, se ela ficar próxima da janela, a tela vai refletir todo o entorno, prejudicando a visualização, explicou.

Tecidos sintéticos costumam aguentar melhor a luminosidade natural, demorando para rasgar ou desbotar, e são boas opções tanto para áreas internas quanto externas. Para os móveis, Vivian Coser indica as madeiras maciças do tipo Teca, envernizadas, pois aquelas que são pintadas tendem a amarelar rapidamente.Há muitos artigos que oferecem uma proteção maior à luz, garantindo que o produto não perca suas principais características, como cor e integridade. Geralmente, são tecidos de base acrílica ou em poliéster e têm garantia de cerca de 400 horas ao sol, o que varia de acordo com o fabricante e o tipo de proteção que recebem, concluiu

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mais de mil imóveis passam por vistoria da Saúde na capital
COMBATE AO AEDES

Mais de mil imóveis passam por vistoria da Saúde na capital

Mistura de queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS
TEMPO

Queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS

Raio-x flagra mulher com 50 cápsulas de cocaína no estômago
SERVIÇO DE MULA

Mulher é presa com cápsulas de cocaína no estômago

TJ mantém condenação de homem por violência doméstica após reconciliação
TRÊS MESES DE PRISÃO

TJ mantém condenação de homem por violência doméstica após reconciliação

Mais Lidas