Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Endividamento das famílias volta a subir

Endividamento das famílias volta a subir
21/03/2011 12:55 - da redação


Depois de diminuir em fevereiro, em março voltou a subir o nível de famílias campo-grandenses comprometidas com dívidas como cheque pré-datado, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimos pessoal, prestações de carro e seguros. No mês de fevereiro, 61% das famílias ouvidas na pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) disseram estar endividadas, índice que subiu a 64% neste mês de março, o maior nível desde setembro do ano passado.

“No início do ano as pessoas evitaram novos compromissos, porque estavam com o orçamento bastante comprometido com impostos como IPTU e IPVA, além dos gastos com matrícula e materiais escolares, mas a pesquisa mostra que o consumidor voltou às compras”, avalia o presidente da Fecomércio MS (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso do Sul), Edison Ferreira de Araújo. O percentual de famílias que têm contas em atraso ficou mantido em 29% e das que declaram não ter condições de pagar as dívidas subiu de 11% a 12%.

De acordo com a pesquisa, de fevereiro para março o número absoluto de famílias endividadas em Campo Grande passou de 152.036 a 158.684. Das famílias entrevistadas, 64,8% declararam que estão comprometidas com contas no cartão de crédito, 31,8% têm dívida no carnê, 12,6% com financiamento de carro e 11% com crédito pessoal. O financiamento de casa é apontado por 7,9% das famílias entrevistadas.

Quando questionadas sobre o tempo de comprometimento da dívida, 49,1% apontaram que é por mais de um ano e em 63,2% dos casos as dívidas comprometem de 11% a 50% do orçamento familiar.

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.