Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Empresas aéreas querem 1.523 novos voos durante a Copa

Empresas aéreas querem 1.523 novos voos durante a Copa
08/01/2014 04:00 - r7


As empresas aéreas apresentaram solicitações para abertura de 1.523 novos voos durante o período da Copa do Mundo Fifa 2014, entre os dias 6 de junho e 20 de julho. A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) divulgou nesta terça-feira (7) um balanço dos pedidos entregues em dezembro. A definição da nova malha aérea entre as cidades sede da Copa só será divulgada na próxima semana, no dia 15 de janeiro.

No balanço, a Anac informa as cidades que tiveram maior ampliação na oferta de assentos foram Cuiabá, com alta de 48%, Campinas e Guarulhos, que se consolidam como centros de distribuição de passageiros pelo País, com altas de 41,6% e 36,5%, respectivamente. Natal, Fortaleza, Recife, Salvador, e Rio de Janeiro também aparecem na lista de cidades com ampliação da oferta de assentos, com altas entre 13% e 27% no número de voos.

Ainda de acordo com a agência reguladora, as rotas mais requisitadas pelas companhias aéreas foram entre Brasília e Guarulhos, do Rio de Janeiro para Buenos Aires, do Rio de Janeiro em direção a Campinas, além de rotas partindo de Fortaleza e Salvador em direção a Guarulhos. A partir da definição da nova malha aérea, prevista para o próximo dia 15, as empresas aéreas poderão vender os novos bilhetes. Também está em estudo a reformulação de outros voos, com novas conexões, cancelamentos e alterações de horário.

As companhias aéreas solicitaram à agência em novembro a ampliação da malha para atender ao maior fluxo de passageiros entre as cidades sede. Além da ampliação da malha, o governo também estuda a possibilidade de abrir o mercado de aviação civil no País para empresas estrangeiras durante o evento.

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!