Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Barreiras comerciais

Empresários estão otimistas com relações entre Brasil e EUA

20 MAR 2011Por Reuters16h:40

Empresários da indústria brasileira demonstraram otimismo no futuro das relações comerciais com os Estados Unidos após reuniões bilaterais neste sábado (19).

Os encontros ocorreram em meio à visita do presidente norte-americano, Barack Obama, a Brasília, e foram vistos com bons olhos por industriais, ansiosos para ampliar o mercado para produtos brasileiros e reverter o déficit nas transações com os EUA, que no ano passado chegou a US$ 11,4 bilhões.

No início da tarde, presidentes de 18 importantes empresas do Brasil e EUA participaram do VI Fórum de CEOs Brasil-EUA e apresentaram a Obama e à presidente Dilma Rousseff uma relação de recomendações para fortalecer a relação econômica entre os dois países, incluindo reforma tarifária e alfendegária e mudanças no sistema de vistos.

"(A presença de Obama) é uma sinalização firme e clara de que os Estados Unidos veem hoje o Brasil como um grande e importante aliado no mundo, não só comercial mas também político", disse o presidente CNI, Robson Andrade.

"Nós não queremos apenas comprar produtos americanos, nós queremos vender para os Estados Unidos", disse, apontando para o esforço de diversificar a natureza das exportações brasileiras que, atualmente, é em grande parte formada por commodities.

Durante a visita de Obama, Brasil e EUA assinaram o Tratado de Cooperação Econômica e Comercial (Teca), que abre caminho para a discussão de questões relacionadas à bitributação e a barreiras comerciais, entre outros.

"Foi mais um encontro de cumprimentos. Os tópicos já mencionados foram reforçados. Foi mais um gesto de ele (Obama) vir e dizer que eles querem estar mais próximos dos brasileiros", disse o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Petróleo


O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse que Obama manifestou intenção de futuramente comprar petróleo do Brasil. Mas o próprio Gabrielli lembrou que, nos EUA, quem negocia a commodity são as empresas e não o governo.

Gabrielli comemorou o fato de o governo norte-americano ter liberado na quinta-feira a operação de uma plataforma da estatal no Golfo do México, em um campo com capacidade para produzir 80 mil barris por dia.

O presidente da Vale, Roger Agnelli, que assim como Gabrielli , Skaf e Andrade, participou de um encontro reservado com Obama, disse ter falado com o presidente norte-americano sobre investimentos conjuntos de empresas brasileiras e norte-americanas no continente africano.

"Eu acho que o Banco Mundial tem de apoiar iniciativas de empresas brasileiras e americanas na África", disse, acrescentando que Obama teria concordado com a ideia.

Leia Também