Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 20 de novembro de 2018

TECNOLOGIA

Empresa indiana apresenta carro movido a ar

16 AGO 2012Por TECHTUDO00h:00

Uma montadora indiana pretende lançar no mercado o Airpod. O carro com vocação urbana tem espaço para dois ocupantes e traz como grande inovação a propulsão através de ar comprimido. Com velocidade máxima de 70 km/h, o Airpod da Tata Motors é mais uma opção para quem pretende investir, num futuro próximo, em um carro que não emita poluentes.

O funcionamento do Airpod é bem simples. O carro se move a partir da energia gerada por um motor, que usa ar atmosférico armazenado sob pressão em um tanque de 175 litros. O ar, depois de empurrar o carro, é liberado normalmente na atmosfera. Para recarregar o tanque há a opção de coletar o gás enquanto o carro se move: ele é comprimido por um pequeno motor elétrico.

Embora tenha a possibilidade de se recarregar sozinho, o Airpod tem uma autonomia baixa. Com um tanque de ar cheio, estima-se que o motorista possa percorrer uma distância máxima de 209 quilômetros. Isso acontece porque o motor elétrico, responsável por comprimir ar, não tem fôlego suficiente para realimentar o sistema sozinho. E, ainda que tivesse, ele depende de energia nas baterias para funcionar – que são, em parte, recarregadas pela energia cinética das freadas.

Para reabastecer o automóvel, é preciso colocar ar pressurizado no tanque. De acordo com a Tata Motors, será necessário que o motorista se dirija a postos específicos para isso. A empresa não mencionou a possibilidade de que o abastecimento possa ser realizado com compressores de ar comuns – presentes em praticamente qualquer posto de gasolina.

Independente das limitações, o Airpod é um interessante feito de engenharia, de custo baixo (espera-se que seja vendido por US$ 10.000 na Índia), e que se encaixa bem no contexto do país assolado por engarrafamentos.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também