Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Empresa é autorizada para instalar crematório na Avenida Tamandaré

Empresa é autorizada para instalar crematório na Avenida Tamandaré
19/02/2014 16:20 - da redação


O Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) trouxe na edição desta quarta-feira (19) a concessão para a empresa Crematório Campo Grande LTDA para explorar o serviço pelo período de um ano.

A publicação esclarece que a instalação recebeu licença ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) e irá funcionar na Avenida Tamandaré, no loteamento Monte Alto.

O projeto que autoriza o funcionamento de crematórios na Capital, aprovado em novembro do ano passado na Câmara Municipal, é de autoria do vereador Eduardo Romero, PT do B, que destacou a importância ambiental da medida. “A Capital é cortada por 33 córregos e banhada por duas bacias hidrográficas, a do Paraná e do Paraguay e que a contaminação do solo e do lençol freático com o chumbo – liberado na decomposição dos corpos – traz o risco de não haver, a longo prazo, água potável para o consumo dos campo-grandenses”.

O vereador lembra que a ideia não é para cremação obrigatória e sim alternativa, uma vez que cada família tem o direito de escolher de que fora vai agir no momento de perda.

Campo Grande tem três cemitérios municipais (Cruzeiro, Santo Amaro e Santo Antônio) e todos estão operando quase que na capacidade máxima de sepultamentos, o que também colaborou para a propositura. “Os cemitérios são fontes causadoras de impactos ambientais preocupantes, principalmente quando suas localizações são irregulares ou próximos de residências. Não queremos tirar o direito das famílias sepultarem seus entes e nem questionar ou desrespeitar a religiosidade, mas estamos apresentando alternativa moderna que preserva o meio ambiente e dá ao município soluções administrativas nesse assunto”, explica o vereador.

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!