Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

QUEDA DE ÔNIBUS

Empresa condenada a indenizar idosa

6 MAR 14 - 15h:21DA REDAÇÃO

O juiz da 15ª Vara Cível de Campo Grande, Flávio Saad Peron, julgou procedente a ação movida por uma passageira contra uma empresa de ônibus, condenada ao pagamento de R$ 15 mil de indenização por danos morais. O motorista fechou a porta do veículo quando a ela desembarcava, prendendo sua porta.

Segundo a mulher, ela morava em Terenos, por ser idosa, viajava constantemente para a Capital a fim de realizar tratamento de saúde. 

No entanto, ao desembarcar na rodoviária de Campo Grande, no dia 10 de março de 2009, o motorista do ônibus em que estava fechou a porta e arrancou bruscamente o veículo, o que fez com ela caísse e sofresse lesões em sua perna. Alegou que não recebeu socorro da empresa, tendo o motorista apenas telefonado para a sua filha que foi até o local do ocorrido e a levou para o hospital.

Disse ainda que, por utilizar sempre o ônibus daquela empresa, passou a ser conhecida por seus motoristas e cobradores, sendo que já houve vezes que alguns a hostilizavam por não terem paciência para esperá-la ou até mesmo em lhe ajudar com seu problema de locomoção. Desta forma, pediu pela indenização por danos morais.

Em contestação, a empresa alegou que não há provas de que a autora tenha sido hostilizada pelos seus empregados e que ela caiu sozinha ao descer do ônibus, que estava estacionado na rodoviária. Além disso, sustentou que o seu motorista não tem culpa sobre essa situação, motivo pelo qual pediu pela improcedência do pedido de indenização feito pela requerente.

Ao analisar o processo, o magistrado observou que os depoimentos prestados por uma testemunha que estava na rodoviária e do motorista provam a responsabilidade da empresa, pela culpa do seu motorista, pois ele devia se certificar de que poderia acionar o fechamento das portas com segurança, sem atingir qualquer pessoa que estivesse entrando ou saindo do ônibus.

Desta maneira, o pedido de indenização por danos morais foi julgado procedente.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ARTIGO

Ângela Maria Costa: "A falácia da participação popular"

Integrante do Conselho Municipal de Educação
OPINIÃO

João Badari: "Concessão de aposentadoria poderá ficar mais difícil"

Advogado

Felpuda

EDUCAÇÃO

Ensino superior a distância tem mais vagas do que o presencial

É o que revela Censo da Educação Superior divulgado hoje

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião