Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

SÃO DOMINGOS

Empresa apura quantos querem ficar na usina

30 MAR 2011Por ana maria barbosa00h:00

Pelo 72 trabalhadores do consórcio Engemix/Galvão, que atuavam na construção da Usina Hidrelétrica de São Domingos, no limite entre Água Clara e Ribas do Rio Pardo, já optaram pela rescisão do contrato de trabalho e retorno para seus locais de origem. Estes trabalhadores estavam hospedados em hotéis em Três Lagoas, após o conflito que resultou na destruição de seis alojamentos, refeitório, lavanderia, escritório e vertedouro.

Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), as empresas estão percorrendo os alojamentos no município, em Água Clara e Ribas para fazer um levantamento concreto de quantos optarão por deixar o trabalho. Este relatório deverá ser fechado hoje (30). No caso daqueles que resolveram não aguardar o retorno das obras, a informação é que tiveram o acerto já quitado.

De acordo com a assessoria de imprensa do MPT, o órgão está acompanhando o suporte dado aos trabalhadores e, caso haja demissão em massa, os procedimentos e negociações serão alterados, de forma a ser elaborado um acordo coletivo. Ontem (29), trabalhadores continuavam hospedados nos principais hotéis de Três Lagoas.

A assessoria de imprensa do consórcio responsável pela obra informou que ainda não há um balanço sobre os prejuízos, pois as apurações sobre danos à construção da barragem, assim como ao canteiro, estão sendo feitas pela polícia e perícia das seguradoras. Ainda de acordo com a assessoria, assim que o espaço for sendo liberado os trabalhadores retornarão gradativamente.

Leia Também