Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

120 MIL AMOSTRAS

Embrapa usa câmaras frias para conservar sementes

Embrapa usa câmaras frias para conservar sementes
23/02/2014 08:00 - agência brasil


A década de 1970 é reconhecida como o período em que a agricultura em larga escala se intensificou no Brasil. Com o desenvolvimento da atividade, já pensando na manutenção do que seria produzido no país, a então recém-criada Embrapa inaugurou, em 1974, o Centro Nacional de Recursos Genéticos (Cenargen), que hoje tem em sua coleção de base cerca de 120 mil variedades de sementes de espécies vegetais. O Cenargen, hoje identificado como Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, é responsável pelo backup do material que está armazenado em diversas unidades da Embrapa em todo país. Segundo a pesquisadora da empresa, Marília Burle, supervisora de Curadoria de Germoplasma (material genético) do Cenargen, a meta é conservar o maior número possível de espécies na forma de sementes.

Ela explica que a coleção de base de sementes é mantida a -20 graus Celsius (ºC), forma de conservação a longo prazo estabelecida mundialmente. “Na verdade, esse tipo de conservação não é tão antigo assim, os bancos têm modelos estimando o tempo, mas a ideia é que, para a maioria das culturas, se conserve por mais de 100 anos”, disse Marília, explicando que a germinação pode variar conforme a espécie - cereais, por exemplo, podem se conservar por mais tempo que as oleaginosas. Além desse tipo de conservação, a Embrapa também utiliza a criopreservação, com nitrogênio líquido, e a conservação in vitro. “Nos tubinhos, em meio de cultura, a plântula cresce mais lentamente e a todo momento temos que replicar aquelas plantinhas, por isso nossa ênfase maior é em sementes”, explica Marília. A conservação in vitro é feita geralmente para culturas que não podem ser conservadas na forma de sementes, como mandioca e espécies florestais.

A coleção de base da Embrapa é armazenada em três câmaras frias, alimentadas com energia elétrica e dois geradores de segurança. Em abril, a empresa inaugura um novo prédio e um novo banco com capacidade para 700 mil amostras, que vai agrupar a coleção de sementes, a criopreservação e a conservação in vitro. Apesar da estrutura disponibilizada, a Embrapa ainda não tem um levantamento sobre o custo para manter as coleções. “Temos nos preocupado e sido demandados para que isso seja feito. É uma questão levantada em âmbito mundial, já que muitos bancos não vão saber dizer o custo para manutenção das amostras: até que ponto é viável ficar colocando material nesses sistemas? É preciso fazer uma priorização, mostrar melhor a diversidade”, argumenta Marília.

A coleção de base da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, em Brasília, faz, prioritariamente, o trabalho de conservação do material dos bancos ativos de outras unidades da empresa. Não só plantas, como animais e microrganismos, como a Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas (MG); a Embrapa Caprinos e Ovinos, em Sobral (CE); e a Embrapa Florestas, em Colombo (PR). Nesses bancos ativos é feito o trabalho em campo, de testar e pesquisar as propriedades, fazer o manejo dos recursos genéticos e também multiplicar as amostras, que serão enviadas para os bancos internacionais e para órgãos e empresas solicitantes.

Tudo o que a Embrapa produz ou desenvolve é público. “É uma regra no meio dos recursos genéticos, não se vende germoplasma. O interessado faz o pedido online, nós geramos um termo de transferência, de propriedade intelectual e enviamos, livre de custos”, explica Marília. A pesquisadora conta que o Brasil é signatário do Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura (Tirfaa), da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que tem como um dos objetivos facilitar o acesso ao germoplasma mantido no país e importante para a alimentação e agricultura mundial.

O país também faz parte do Grupo Consultivo de Pesquisa Agrícola Internacional (Cgiar) e grande parte das coleções de germoplasma da Embrapa estão duplicadas nos centros internacionais do grupo. O Cgiar é uma parceria global que une organizações envolvidas na pesquisa para a segurança alimentar. “Nossos bancos ativos estão sempre enviando material para esses centros. Ano passado, foi enviado milho para o Cimmyt, no México. E também recebemos uma coleção de feijão-fava do Ciat, na Colômbia”, conta Marília.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!