Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CURSO

Embrapa ensina práticas agroecológicas de produção

Embrapa ensina práticas agroecológicas de produção
15/02/2014 23:00 - AGÊNCIA BRASIL


O Núcleo de Pesquisa e Treinamento de Agricultores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) promove nos próximos dias 18 e 19, em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro, um curso que pretende ensinar aos pequenos produtores princípios e práticas agroecológicas em ambientes de montanha.

O objetivo é mostrar que não se produz nas montanhas da mesma forma como em ambientes planos. “É fundamental ampliar a percepção sobre isso”, explicou a bióloga Adriana Maria de Aquino, da Embrapa Agrobiologia, uma das coordenadoras do curso.

Ela destacou que a agroecologia é uma ferramenta que trata a unidade produtiva como um todo. Daí a decisão da unidade da Embrapa, sediada no Rio de Janeiro, de trazer os conceitos e princípios da agroecologia “para pensar no redesenho da propriedade como uma paisagem”, disse Adriana, "porque aí cada unidade produtiva vai desenvolver a sua forma de fazer agricultura de maneira local”.

O importante, segundo a pesquisadora, é saber os princípios que são voltados à ecologia e aos processos naturais. “Por isso, eles têm que ter um olhar local. Esse diálogo com a agricultura é fundamental”.

Adriana acredita que a agricultura feita de maneira sustentável pode resultar em produtos com mais oportunidades de mercado para os agricultores locais. A ideia, segundo ela, é trazer uma percepção diferente no processo de produção, para que o produtor tenha um produto diferenciado e alcance também um mercado diferenciado.

A bióloga acrescentou que um produto oriundo de uma prática agroecológica tem hoje, por exemplo, no programa governamental da merenda escolar, um acréscimo considerável na hora de comercializar. “Ele tem um x a mais. Alguns mercados hoje reconhecem como um valor a mais.”

A adoção de práticas sustentáveis nas regiões de serra, de elevada declividade, é considerada importante pela bióloga, uma vez que se trata de ecossistemas frágeis devido à própria formação dos solos, que são rasos e estão sujeitos a várias ameaças, entre as quais as queimadas, a erosão e o desmatamento. “São solos que se não forem bem manejados acabam perdendo terra, que é um patrimônio”. Ela explicou que no modelo de agricultura tradicional, esses solos são ameaçados por fatores ambientais e pela perda de produtividade ao longo dos anos.

Nos dois primeiros dias do curso, serão dadas noções teóricas de agroecologia. Os nove módulos seguintes, que ocorrerão até o final do ano, serão todos práticos, totalizando 76 horas de aula.

Face à grande demanda que está recebendo, a Embrapa Agrobiologia já começou a estudar a possibilidade de levar o curso para outras localidades do estado. “A gente pretende fazer isso de modo contínuo, ampliando o número de conhecimentos”. O primeiro módulo será no Centro Administrativo de Nova Friburgo.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!