Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Crise na Líbia

Embaixador da Líbia na ONU sai e denuncia 'banho de sangue'

31 MAR 2011Por g117h:15

O embaixador da Líbia na ONU, Ali Abdussalm Treki, renunciou ao cargo, segundo seu sobrinho, o também diplomata Soufian Treki.

Ele, que já foi chanceler da Líbia, condenou o "derramamento de sangue" provocado pelo regime do ditador Muammar Kadhafi, acusado de atacar civis para tentar debelar uma rebelião contra o governo.

Soufian Treki disse que seu tio está no Cairo.

"Decidi não continuar a trabalhar e não aceitar nenhuma tarefa", diz o comunicado. "Oro a Deus para que me ajude a participar da salvação dessa preciosa nação."

Ele pediu um grande diálogo nacional para resolver a crise política no país.

A Líbia enfrenta uma verdadeira guerra civil desde o começo deste ano, quando manifestações pedindo a renúncia do ditador Kadhafi, há 42 anos no poder, se tornaram confrontos violentos e passaram a ser reprimidos com força pelo regime.

No dia 17 deste mês, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução que valida quaisquer medidas necessárias para impedir um massacre de civis. Dois dias depois, a coalizão internacional liderada por Estados Unidos, França e Grã-Bretanha começou a bombardear a Líbia.

Uma série de diplomatas, militares e funcionários do regime renunciou desde o início da repressão aos rebeldes.

Na quarta-feira, Mussa Kussa, chanceler da Líbia e homem de confiança de Kadhafi, deixou o país e anunciou que estava deixando o cargo por não concordar com ataques a civis.

Leia Também