Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Em plena forma

1 MAI 10 - 20h:55

Arcângela Mota, TV Press

 

Carla Marins conserva o mesmo jeito de menina que a caracterizou ao longo de 24 anos de tevê. Graças ao olhar meigo e à inalterável aparência angelical a atriz vive hoje, aos 41 anos de idade, um momento especial em sua carreira. No ar como a bondosa e atrapalhada secretária Serafina, de "Uma rosa com amor", Carla vibra com a oportunidade de viver pela primeira vez a protagonista de uma novela. E demonstra uma empolgação de estreante ao falar de sua personagem na trama do SBT. "É um trabalho incrível, que me abre muitas nuances de interpretação. A Serafina é leve, bem-humorada, mas não deixa de ter uma carga dramática", avalia a atriz, que na história faz par romântico com Cláudio Lins, intérprete do empresário Claude, com quem Serafina mantém um casamento de fachada.

O entusiasmo de Carla com o novo trabalho não se deve apenas ao seu posto de protagonista. Após um ano longe da tevê – tempo em que se dedicou à criação de seu primeiro filho –, a atriz volta às novelas pondo fim a um período de 22 anos na Globo, única emissora onde havia trabalhado. A ida para o SBT, segundo ela, foi fruto de um conjunto de fatores. Entre eles, a chance de trabalhar mais uma vez com o diretor Del Rangel – com quem fez "Barriga de aluguel" em 1988 – e de viver uma personagem que foi interpretada por Marília Pêra na primeira versão de "Uma rosa com amor", escrita por Vicente Sesso e exibida pela Globo em 1972. "Tudo isso me deixou muito tentada. Ser protagonista pesou, masnão foi tudo. Acreditei artisticamente no projeto", afirma.

Carla garante que só chegar à primeira protagonista aos 41 anos em nenhum momento foi motivo de preocupação. Pelo contrário. A atriz diz só ver vantagens na hora de compor a personagem. "Isso me traz maturidade e conhecimento para fazer esse papel com tranquilidade", pondera. Para ela, o mais difícil foi se acostumar a algo aparentemente mais simples: o visual desleixado de Serafina. Tudo porque, em função da baixa autoestima, a secretária não se preocupa com vaidades, ao contrário da atriz. "Confesso que enfear foi um pouco chato. Levei um tempo para me adaptar ao despojamento dela", lembra.

Já o diálogo com a comédia, outra característica marcante da personagem, é algo que Carla diz encarar com naturalidade. E a segurança para trabalhar com o gênero veio de sua experiência em 2008 no seriado "Faça sua história", da Globo, em que viveu Adalgisa, mulher do taxista Oswaldir, papel de Vladimir Brichta. "Brinquei muito com o humor esse ano e fiquei um pouco tarimbada na comédia. Por isso não foi tão difícil assimilar a Serafina", analisa a atriz, que afirma ainda não sentir saudade de interpretar personagens dramáticos. "É muito bom permear a vida com humor. E eu adoro quando isso se estende ao meu trabalho", derrete-se ela, que há alguns anos já vinha participando de trabalhos mais voltados para a comédia na Globo.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUSÃO

Cade aprova aquisição de parte da Embraer pela Boeing

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant
ASTRO DO BASQUETE

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant

ALERTA

Anvisa só inspeciona aviões da China quando suspeita de coronavírus é notificada

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"
COMPORTAMENTO

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião