Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LEVANTAMENTO

Em MS, cerca de 40% dos prefeitos brigam pela reeleição em outubro

Em MS, cerca de 40% dos prefeitos brigam pela reeleição em outubro
05/08/2012 17:13 - VÂNYA SANTOS


Cerca de 40% dos 78 prefeitos que existem atualmente em Mato Grosso do Sul concorrem a reeleição nas eleições de outubro deste ano. Conforme estudo feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), divulgado hoje, 31 prefeitos disputam a reeleição, no entanto, 46 administradores municipais poderiam concorrer ao pleito, o que representa quase 60% do total de prefeitos no Estado.

Estudo aponta ainda que 2.736 dos mais de 5,5 mil municípios brasileiros (49%) possuem candidatos que concorrem à reeleição. O número, correspondente a 74,8% dos 3.659 prefeitos que poderiam disputar um segundo mandato, é inferior ao registrado na eleição de 2010, quando foi de 78,6%.

Em 2000, na primeira eleição municipal após entrar em vigor a emenda constitucional da reeleição, todos os 5.558 prefeitos puderam disputar o segundo mandato, mas apenas 3.448 o fizeram (62%). Em 2004, o número de prefeitos em condições de se reeleger caiu para 3.556, e o número efetivo de candidatos à reeleição foi de 2.251 (63,3%). Os dados mostram que, embora o número absoluto de candidatos à reeleição de 2000 ainda seja o maior, o índice de tentativa de reeleição cresceu a cada pleito, atingindo o maior percentual em 2008.

A partir dos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a CNM ainda comparou o percentual de sucesso dos prefeitos que disputaram a reeleição dos pleitos de 2000, 2004 e 2008. De acordo com o levantamento, nas duas primeiras eleições o percentual de reeleitos foi de exatos 58,2%, já em 2008 alcançou 65,9%. 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!