BALANÇA COMERCIAL

Em Mato Grosso do Sul, exportações do agronegócio somam US$ 4,7 bi

Em Mato Grosso do Sul, exportações do agronegócio somam US$ 4,7 bi
21/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Ajudado pela disparada das vendas de celulose, Mato Grosso do Sul encerrou 2013 com crescimento de 24,80% nas exportações do agronegócio, conforme reportagem na edição desta erça-feira (21) do jornal Correioo do Estado. Trata-se da maior variação entre os principais exportadores brasileiros. No ano passado, a receita somou US$ 4,75 bilhões e, em 2012, US$ 3,81 bilhões. A balança estadual foi positiva em US$ 4,35 bilhões. Os dados foram divulgados ontem pela Secretaria de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SRI/Mapa).

O avanço de 24,80% foi o maior entre os dez estados brasileiros que mais exportam produtos do agronegócio (veja tabela nesta página). Com essa variação, Mato Grosso do Sul supera a Bahia (com recuo de -15,64%) em receita das vendas externas, elevando sua participação na exportação nacional de 3,98% para 4,95%. Em valores absolutos, a maior contribuição para a balança comercial do agronegócio sul-mato-grossense continua vindo da soja. No entanto, em crescimento relativo, o destaque são os produtos florestais.

Segundo a reportagem de Osvaldo Júnior, o complexo soja, principal setor exportador de Mato Grosso do Sul, respondeu por 29% das vendas externas. As exportações desse complexo somaram US$ 1,4 bilhão em 2013, 37% acima dos US$ 1,02 bilhão de 2012. A comercialização da soja em grãos resultou receita de US$ 1,2 bilhão, alta de 68% sobre os US$ 714,54 milhões exportados no ano anterior.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".